sexta-feira, 22 de agosto de 2014

HISTÓRICO DA QUESTÃO 23 DA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA TÉCNICO TRIBUTÁRIO DA RECEITA ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL – BANCA DA FUNDATEC - 2014

HISTÓRICO DA QUESTÃO 23 DA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA TÉCNICO TRIBUTÁRIO DA RECEITA ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL – BANCA DA FUNDATEC - 2014 A QUESTÃO NA ÍNTEGRA QUESTÃO 23 – Considere as assertivas que seguem sobre formação de palavras. I. ‘amadurecimento’ (l.03) e ‘aperfeiçoados’ (l.05) são formadas por derivação parassintética. II. Em ‘favoráveis’ (l.07), tem-se um caso de derivação sufixal. I. A palavra ‘extremamente’ (l.10) é formada por composição por justaposição. IV. ‘convergência’ (l.26) é derivada do verbo convergir mais o sufixo –ência. Quais estão corretas? A) Apenas I. B) Apenas IV. C) Apenas Ie I. D) Apenas I e IV. E) Apenas I, I e I. GABARITO OFICIAL PRELIMINAR : ALTERNATIVA B. AS RAZÕES OFERECIDAS CONTRA GABARITO DA BANCA: ALTERNATIVA B. Quanto à assertiva II, o vocábulo “favoráveis” (l. 07) é formado por derivação sufixal, em que “favor” recebe o sufixo “-(á)vel(is)”, formador de adjetivos. Correta a assertiva II. QUESTÃO RECORRÍVEL A banca da FUNDATEC indicou, como gabarito preliminar para essa questão, a alternativa “B”, considerando como correta apenas a afirmação contida na assertiva IV. A rigor, está correta também a assertiva II, porque FAVORÁVEIS é adjetivo formado por derivação sufixal, em que o substantivo “FAVOR” recebe o sufixo “-(Á)VEL”, formador de adjetivos. Nas respostas oferecidas, não há alternativa que considere como corretas as assertivas II e IV, logo a questão carece de resposta correta, devendo ser anulada, como medida de justiça. (Prof. Alberto Menegotto) JUSTIFICATIVA DA BANCA MANTENDO O GABARITO QUESTÃO: 23 - MANTIDA alternativa 'B'. [...] II. Em “favoráveis” (l.07), tem-se um caso de derivação sufixal. Segundo o dicionário Aurélio, a palavra “favoráveis” se origina do latim “favorabile”, portanto não caracteriza uma derivação sufixal, mas apenas e tão somente um caso de flexão de número. RÉPLICA À ARGUMENTAÇÃO DA BANCA Preliminarmente, deve-se observar que a respeitável Banca Revisora da Fundatec se limitou a argumentar pela manutenção da afirmação contida na assertiva II como errada apenas invocando uma simples consulta ao dicionário Aurélio. Isso é, no mínimo, uma atitude primária que revela desconhecimento e, sem dúvida, falta de prática em relação à formação de palavras. Seria desnecessário relembrar que dicionários registram tanto palavras primitivas quanto derivadas. O fato da existência do termo latino “favorabile” é inegável; os dicionários Aurélio e Houaiss, como outros, registram os verbetes “favor” e “favorável”; no dicionário Houaiss, que além de ortográfico, prosódico, semântico e etimológico, ainda consta a datação, exata ou aproximada, do aparecimento do vocábulo em Língua Portuguesa. Com relação ao substantivo “favor”, afirma o dicionário Houaiss que seu aparecimento data do séc. XIV; já com relação ao adjetivo “favorável”, sua data de surgimento remonta ao séc. XV, ou seja, “favor” é nitidamente termo anterior a “favorável”, que surge no século seguinte. Além disso, ambos os dicionários referidos tratam do termo “favorável” etimologicamente oriundo (= derivado) de “favor”, assim como se pode observar da lição que Antônio Houaiss nos dá: “1. Que favorece ou auxilia; 2. Que é propício ou conveniente; 3. Que é a favor de algo ou de alguém”. Observe-se que, na revelação semântica do verbete, aparece seu termo primitivo “favor”. Mas Houaiss vai adiante em sua lição quanto à etimologia: “lat. favorabilis – que obtém favor, querido, amado; ver “favor-”. Observe-se que o ensinamento refere “favor-” com um traço logo após, símbolo que, na formação de palavras, indica a possibilidade de receber sufixo ou terminação. A palavra “favorável”, portanto, é derivada da palavra “favor”; o sufixo “-vel” ocorre na formação de diversos adjetivos em Língua Portuguesa como, por exemplos, “sofrível”, “amável”, “tratável”... Logo “favor” recebe, por derivação sufixal, o sufixo formador de adjetivos “-vel”, compondo o vocábulo “favorável”. A Respeitável Banca da Fundatec deve, por medida de justiça, rever a justificativa na qual se estribou para manter a resposta à questão 23 do certame já identificado, aceitando a argumentação expendida e, por consequência, anulando a questão, haja vista não ter resposta que se adéque ao enunciado. (Prof. Menegotto)

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO AUDITOR FISCAL DA RECEITA ESTADUAL – CONCURSO REALIZADO NOS DIAS 9 E 10 DE AGOSTO DE 2014 – BANCA FUNDATEC

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO AUDITOR FISCAL DA RECEITA ESTADUAL – CONCURSO REALIZADO NOS DIAS 9 E 10 DE AGOSTO DE 2014 – BANCA FUNDATEC Questão 1 – Interpretação de texto No trecho “Manter essas estruturas é pesado, exige investimentos constantes na manutenção, e os valores das autuações não compensam os custos”, opina. Desde o início da década passada, os diversos governos que se alternaram no Estado vêm fechando postos fiscais, e nem por isso a arrecadação caiu; pelo contrário, vem aumentando consideravelmente. Em contrapartida, a tecnologia, o manifesto eletrônico de cargas e a visão computacional resultam em custos menores...” (l. 19-24), observam-se dois trechos (destacados) em que não se pode afirmar que a manutenção de estruturas de fiscalização não é, de maneira alguma, onerosa para o Estado. Portanto há erro de contradição, com ideias contrárias às do texto. Com relação ao trecho “Criado através de um acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Receita Federal e Secretarias de Fazenda de vários Estados, o sistema visa padronizar, unificar, interagir, integrar, simplificar, desburocratizar e acelerar o processo de produção, logística e fiscalização de mercadorias pelo país” (l. 40-43), verifica-se que não há, entre os objetivos do sistema Brasil-ID, destacados na transcrição, funções de especificar, analisar, projetar, dimensionar e desenvolver softwares básicos de gestão nacional e centralizada de dados e transações, o que enseja ampliação, ou extrapolação, que consiste no acréscimo de ideias ausentes no texto. No trecho “’Da mesma forma que, através de um chip no sistema Sinal Verde, no qual o usuário coloca um pequeno circuito eletrônico no seu carro e passa por cancelas de pedágios sem se preocupar com os tickets e dinheiro, a fiscalização colocará esse equipamento em caminhões e produtos e poderá acompanhar a saída da carga da distribuidora, a sua chegada no ponto de venda e tudo o que estiver relacionado com essa atividade econômica que interesse à fiscalização’, visualiza o auditor-fiscal” (l. 45-49), verifica-se que a fiscalização de pedágios pelo sistema Sinal Verde é muito mais ampla do que se afirma na terceira assertiva. Portanto há erro de redução, em que se valorizou apenas um aspecto do texto em detrimento do conjunto de ideias expressas. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________ Questão 2 – Acentuação gráfica Quanto à assertiva I, se fosse retirado o acento gráfico de “trânsito”, obter-se-ia a forma “transito”, com sílaba tônica em “si”: tranSIto. Portanto se transformaria em forma verbal, conjugada na 1ª pessoa do singular do presente do indicativo: eu transito, tu transitas, ele(a) transita... Já o adjetivo “específicos”, se perdesse o acento gráfico, deixaria de existir, pois não existe a forma verbal “específicos”, e sim “especifico”. Errada, portanto a assertiva I. A palavra “vários” é acentuada por ser paroxítona terminada em ditongo crescente; já em “país”, o acento é registrado porque o “i” é tônico, precedido de vogal e forma sílaba com “s”. As regras que determinam o acento gráfico em “vários” e “país”, portanto, não são as mesma. Correta a assertiva II. Quanto à assertiva III, a palavra “daí” apresenta hiato: “da-í, não ditongo. Errada, por essa razão, a assertiva III. O acento na forma verbal “vêm” ocorre em razão da flexão numérica. Observe-se: “os diversos governos que se alternaram no Estado vêm fechando...” (l. 21-22), em que o núcleo do sujeito é “governos”, portanto no plural. Está correta a assertiva IV. RESPOSTA: B. _____________________________________________________________________________________ Questão 3 – Formação de palavras Está errada a assertiva I, porque “massivos” (l. 01) é formada por derivação prefixal, já que vem de “massa”, que recebe o sufixo “-ivo”. Errada a assertiva II, haja vista que a forma “impensada” (l. 32) é resultado da soma do prefixo “-im” à palavra “pensada” (particípio usado como adjetivo). Logo é formada por derivação prefixal. Em “planificadas” (l. 34), houve a soma da forma verbal “planificar” ao sufixo “-ada”, Correta a assertiva III. Errada a assertiva IV, porque “desburocratizar” (l. 42) é formada por derivação prefixal, em que o prefixo “-des” é somado à forma verbal “burocratizar”. RESPOSTA: C. _____________________________________________________________________________ Questão 4 – Pontuação No trecho “Identificação, rastreamento e autenticação de mercadorias, controles massivos dos mercados e...” (l. 01), as duas vírgulas separam elementos de igual função sintática, ou palavras justapostas. No trecho “O processamento eletrônico, destaca, veio para ficar...” (l. 13), as vírgulas separam uma oração intercalada, utilizada para identificar que é fala do supervisor do Posto Fiscal Virtual. Quanto ao trecho “O processamento eletrônico, destaca, veio para ficar, e isso está ocorrendo em todo o mundo” (l. 13-14), a terceira vírgula separa orações coordenadas aditivas de sujeitos diferentes. Observe-se que o primeiro sujeito é “O processamento eletrônico”, e o segundo, depois do “e”, é “isso”. No trecho “Outro ponto relevante merece destaque quando se fala em fiscalização via monitoramento eletrônico do contribuinte: a segurança da operação” (l. 30-31), os dois-pontos introduzem, ou separam aposto, que é a expressão “a segurança da operação”. Observe-se que a função dessa expressão é explicar “o outro ponto relevante que merece destaque”, portanto sua função é apositiva. No trecho “Segundo o auditor-fiscal, “a tecnologia está em todo lugar. Temos que utilizá-la” (l. 35), as aspas no segmento destacado foram empregadas em razão de citação, porque se trata de reprodução fiel da fala de alguém. A ordem, portanto, é 4-2-5-3-1. RESPOSTA: A. _____________________________________________________________________________ Questão 5 – Semântica e interpretação de texto No trecho “... ativado no final de 2012, utiliza ao máximo a tecnologia disponível hoje no mercado” (l. 04-05), a supressão da expressão adverbial “ao máximo” (destacada na transcrição) alteraria o sentido da mensagem, porque a notícia alerta justamente pela intensidade da utilização. Portanto a sugestão da assertiva I altera o sentido do texto. A supressão de “crescente”, destacada no trecho “Aqui temos a Nota Fiscal Eletrônica, um sucesso crescente, que quase todos os Estados do país já adotam...” (l. 14-15), altera o sentido original da mensagem, que não se prende somente à notícia do “sucesso”, mas da progressão do “sucesso”. Portanto a sugestão da assertiva II altera o sentido do texto. Se fosse inserido o adjetivo “muitas” imediatamente antes de “tecnologias”, destacada no trecho “Uma das tecnologias que impacta a fiscalização de trânsito de mercadorias no momento...” (l. 36), passando-se para “Uma das muitas tecnologias que impacta a fiscalização de trânsito de mercadorias no momento...”, o sentido do texto seria obviamente alterado. Portanto a sugestão da assertiva III altera o sentido do texto. Na linha 46, a substituição de “coloca” por “instala”, no trecho “no qual o usuário coloca um pequeno circuito eletrônico no seu carro e passa por cancelas de pedágios...”, não alteraria o sentido original do texto. Observe-se o segmento com a alteração sugerida: “no qual o usuário instala um pequeno circuito eletrônico no seu carro e passa por cancelas de pedágios...”. Portanto a sugestão da assertiva IV não altera o sentido do texto. RESPOSTA: C. _____________________________________________________________________________ Questão 6 – Diversos aspectos sintáticos Considerando-se o trecho “[...] desencadear ações planificadas permite um gerenciamento com custos reduzidos e com segurança jurídica para o Estado e para o contribuinte. (l. 33-35), deve-se observar que o sujeito, que é “desencadear ações planificadas”, vem em forma de oração, seguida de verbo utilizado como transitivo direto (“permite”) e objeto direto (“um gerenciamento”) e de adjuntos adverbiais (“com custos reduzidos e com segurança jurídica para o Estado e para o contribuinte”). Na frase “a fiscalização colocará esse equipamento em caminhões e produtos” (l. 47), o sujeito é um substantivo (“fiscalização”), razão por que a oração exposta no enunciado não possui igual estrutura sintática que a frase apresentada na assertiva I. Incorreta, portanto, a assertiva I. Pela análise feita no início do comentário, a forma verbal “permite” está sendo empregada como verbo transitivo direto, em que seu objeto direto é “um gerenciamento”. Os segmentos “com custos reduzidos e com segurança jurídica para o Estado e para o contribuinte” são adjuntos adverbiais. Portanto está errada a assertiva II. O sujeito do segmento “desencadear ações planificadas permite um gerenciamento com custos reduzidos e com segurança jurídica para o Estado e para o contribuinte”, conforme já se observou na explicação inicial deste comentário, é a oração “desencadear ações planificadas”. O segmento “um gerenciamento” é objeto direto. Errada, portanto a assertiva III. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________ Questão 7 – Diversos aspectos sintáticos Nas frases “a tecnologia substitui a ação humana” (l. 11-12), “Outro ponto relevante merece destaque” (l.30) e “representa o futuro da fiscalização de trânsito” (l.44-45), os verbos “substituir”, “merecer” e “representar”, respectivamente, estão empregados como transitivos diretos, portanto todos aceitam a transposição para a voz passiva. Erradas, dessa forma, as assertivas I e II. Em todas as frases, o sujeito é determinado. Os sujeitos são, respectivamente, “a tecnologia”, “a percepção de risco”, “outro ponto relevante” e “O Brasil-ID”. Este último não foi transposto na questão, mas é sujeito de “representar”, em “representa o futuro da fiscalização de trânsito”. Está errada, portanto, a assertiva III. Somente na frase “A percepção de risco está mantida” há predicativo, que é “mantida”, sendo seu verbo de ligação “estar” (na forma “está”). O predicativo, porém, é do sujeito, que é “a percepção de risco”. Errada, portanto, a assertiva IV. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________ Questão 8 – Interpretação de texto No trecho “Identificação, rastreamento e autenticação de mercadorias, controles massivos dos mercados e contribuintes. Termos até há pouco vivenciados apenas no mundo dos filmes e no sonho de muitos auditores-fiscais da Receita Estadual, já são rotina no dia a dia da Secretaria da Fazenda do RS” (l. 01-03), o fato de o autor ter-se referido a ‘termos como identificação, rastreamento e autenticação de mercadorias eram itens presentes apenas em filmes’ significa que a Receita Estadual do RS não possuía acesso a isso muito recentemente. Não há, portanto, o estabelecimento de argumento histórico distinguindo os séculos no Rio Grande do Sul. Errada a assertiva I. Quanto ao depoimento do supervisor do Posto Fiscal Virtual sobre a Nota Fiscal Eletrônica, presente no trecho “Entusiasta do sistema, o supervisor do Posto Fiscal Virtual, em Porto Alegre define o processo como seletivo, econômico e inteligente. ’Esse é o futuro. No mundo, cada vez mais, a tecnologia substitui a ação humana, que, por mais atuante que possa ser, tem limitações de tempo, esforço e capacidade pessoal’, afirma o auditor-fiscal. O processamento eletrônico, destaca, veio para ficar, e isso está ocorrendo em todo o mundo. ‘No Chile, temos a fatura eletrônica, que é muito bem-sucedida. Aqui temos a Nota Fiscal Eletrônica, um sucesso crescente, que quase todos os Estados do país já adotam. É um rumo sem volta. Este é o caminho’” (l. 10-16), deve-se observar que inicia por “Entusiasta”, o que significa que o supervisor é um entusiasmado pelo sistema, o que não configura o depoimento como argumento de autoridade. Errada, portanto, a assertiva II. No trecho “Deve-se lembrar, ainda, que a fiscalização direta, física, no trânsito, sempre foi forte no Nordeste e em alguns pontos do país. Na atualidade, entretanto, o Rio de Janeiro já cortou os postos pela metade. No Espírito Santo, no Pará, em Santa Catarina e em São Paulo, eles foram fechados. ‘Manter essas estruturas é pesado, exige investimentos constantes na manutenção, e os valores das autuações não compensam os custos’, opina” (l. 17-21), há elementos de comparação na citação de casos de outros estados brasileiros em que a fiscalização direta não foi bem sucedida. Correta a assertiva III. RESPOSTA: C. _____________________________________________________________________________ Questão 9 – Interpretação de texto Observe-se que, no trecho “Por todo o exposto, o “Estado Regulador” (que, na ótica esposada, disciplina, na esfera administrativa, os serviços públicos delegados e as atividades econômicas de relevante interesse coletivo) possuem o dever de cabal observância da rede de princípios, objetivos e direitos fundamentais...” (l. 14-16), a expressão “Por todo o exposto” (destacada na transcrição) retoma tudo o que foi tratado no parágrafo anterior mas, na continuidade, não estabelece ideia de comparação, e sim de confirmação e exemplificação. Errada a assertiva I. Quanto ao trecho “De fato, a regulação é indeclinável função tipicamente estatal que, acima de tudo, precisa cultuar a sustentabilidade, a eficácia, a eficiência e a probidade no âmbito do setor regulado, incorporando, em definitivo, a cultura do pleno respeito ao imperativo do desenvolvimento sustentável, que reclama o resoluto combate à falta de equidade intertemporal” (l. 24-27), a expressão “De fato” (destacada na transcrição) está sendo utilizada para enfatizar declaração já registrada, confirmando afirmação anterior, contida no trecho compreendido entre as linhas 14 e 23. Certa a assertiva II. A expressão “em suma”, presente e destacada na transcrição do trecho “Eis, em suma, as propostas vocacionadas a renovar o modelo brasileiro de regulação...” (l. 28), indica que se resumirá ideia apresentadas anteriormente. Correta a assertiva III. Quanto à palavra “sim”, destacada no trecho “Uma regulação para as presentes e futuras gerações. Sim, regulação intertemporal, que rompa os grilhões e os gargalos burocráticos...” (l. 32-33), deve-se observar que foi utilizada de maneira argumentativa, realçando afirmação anterior. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: D. _____________________________________________________________________________ Questão 10 – Semântica Quanto à assertiva I, a palavra “facciosismo” significa “parcialidade”, ou ato realizado com parcialidade. Portanto, no trecho “Cumpre-lhes, pois, evitar o equívoco comum do facciosismo ou do unilateralismo...” (l. 09), o termo sublinhado pode ser substituído, sem alteração semântica, por “parcialidade”. Observe-se o trecho já com a substituição: “Cumpre-lhes, pois, evitar o equívoco comum da parcialidade ou do unilateralismo...”. A sugestão contida na assertiva I, portanto, não causa alteração de sentido no trecho em que se encontra. O substantivo “discricionariedade”, que significa livre de condições, pode ser substituído por “arbitrariedade” no trecho “Cumpre-lhes, pois, evitar o equívoco comum do facciosismo ou do unilateralismo, no exercício da discricionariedade administrativa” (l. 10-11), sem causar alteração de sentido. Observe-se o trecho com a substituição sugerida: “Cumpre-lhes, pois, evitar o equívoco comum do facciosismo ou do unilateralismo, no exercício da arbitrariedade administrativa”. A sugestão contida na assertiva II, portanto, não causa alteração de sentido no trecho em que se encontra. O termo “precípua” significa mais importante, principal, essencial. Por essa razão, não pode ser substituído por “secundária” no trecho “Assim, a função mediadora e solvedora de conflitos assume feição precípua e inerentemente regulatória” (l. 12-13). A sugestão contida na assertiva III, portanto, causa considerável alteração de sentido no trecho em que se encontra. A palavra “jaez” foi empregada no trecho “Com efeito, a regulação promotora do desenvolvimento sustentável, em suas várias dimensões, tem de incorporar parâmetros desse jaez - algo que acontece de maneira incipiente...” (l. 21-22) com sentido de natureza ou qualidade fundamental, tipo específico, conjunto de traços ou características. Já a palavra “estofo” significa garra, fibra, energia, portanto “jaez” e “estofo” não são semanticamente equivalentes. A sugestão contida na assertiva IV, portanto, causa considerável alteração de sentido no trecho em que se encontra. O adjetivo “consentâneo”, que qualifica aquilo que cabe bem a determinado caso ou situação, que é apropriado, adequado, conveniente, pode ser substituído por “adequado” no trecho “Eis, em suma, as propostas vocacionadas a renovar o modelo brasileiro de regulação, de maneira a fazê-lo consentâneo com a consolidação do novo paradigma de Direito Administrativo...” (l. 28-29). Observe-se o segmento já com a substituição: “Eis, em suma, as propostas vocacionadas a renovar o modelo brasileiro de regulação, de maneira a fazê-lo adequado com a consolidação do novo paradigma de Direito Administrativo...”. A sugestão contida na assertiva V, portanto, não causa alteração de sentido no trecho em que se encontra. RESPOSTA: C. Questão 11 – Interpretação de texto No trecho “Não há função mais significativa [...] senão a de defender” (l. 06-07), a ideia é de que outras funções existem, mas a mais significativa é a de defender. Portanto está correta a pressuposição contida na assertiva I. Em “a preponderância dos princípios, objetivos e direitos fundamentais...” (l. 07-08), deve-se entender que preponderam – ou seja, são mais importantes – os princípios, objetivos e direitos fundamentais, o que enseja a pressuposição de que existem outros elementos que não preponderam, ou seja, que não possuem igual importância. Portanto está correta a pressuposição contida na assertiva II. No contexto “as autarquias reguladoras precisam, vez por todas, começar a atuar como guardiãs sistemáticas” (l.19-20), o entendimento é de que as autarquias reguladoras devem, definitivamente, começar a atuar como guardiãs sistemáticas, o que não ocorreu ainda. Portanto não se pode pressupor que as autarquias reguladoras sempre atuaram como guardiãs sistemáticas. Dessa forma, está incorreta a pressuposição contida na assertiva III. RESPOSTA: D. _____________________________________________________________________________ Questão 12 – Classes gramaticais QUESTÃO RECORRÍVEL No trecho “a regulação é indeclinável função tipicamente estatal” (l. 24), “indeclinável” e “estatal”, destacados na transcrição, são classificados como adjetivos e ambos qualificam o substantivo “função. Observe-se: quem é indeclinável? Quem é “estatal”? Ambos estão relacionados ao substantivo “função”. Correta a assertiva I. No trecho “a cultura do pleno respeito ao imperativo do desenvolvimento sustentável” (l.26), o termo “respeito” (destacado na transcrição) é substantivo de sentido incompleto, exigindo complemento nominal, que é “ao imperativo do desenvolvimento sustentável”. Não há complemento nominal direto ou indireto. Tais características pertencem a objetos. Errada a assertiva II. Para se identificar a função do “que” no segmento transcrito na assertiva III, é preciso observar o trecho anterior ao “que”. Na construção “a cultura do pleno respeito ao imperativo do desenvolvimento sustentável, que reclama o resoluto combate à falta de equidade intertemporal” (l. 26-27), a palavra “que” exerce a função de pronome relativo, que retoma “desenvolvimento sustentável”. A palavra “resoluto” está empregada como adjetivo. A primeira afirmação, porém, está errada. Errada a assertiva III. QUESTÃO RECORRÍVEL, PORQUE A BANCA DA FUNDATEC INDICOU, COMO GABARITO PROVISÓRIO, A ALTERNATIVA B, EM QUE FIGURA APENAS A ASSERTIVA II COMO ERRADA. A III, PELAS RAZÕES EXPOSTAS NO COMENTÁRIO ACIMA, TAMBÉM ESTÁ ERRADA. A INEXISTÊNCIA DE GABARITO QUE APONTE COMO INCORRETAS AS ASSERTIVAS II E III IMPÕE QUE A QUESTÃO 12 SEJA ANULADA. _____________________________________________________________________________ Questão 13 – Diversos aspectos sintáticos No trecho “Ao se dar conta do seu papel sistêmico, resolverá com maior facilidade os potenciais conflitos e os custos associados...” (l. 10-11), a vírgula antes da forma verbal “resolverá” está correta, porque isola oração subordinada temporal reduzida de infinitivo (= Quando se der conta do seu papel sistêmico) e está deslocada. Portanto a primeira observação não indica erro gramtical. Na linha 15, a conjugação do verbo “possuir”, flexionado na 3ª pessoa do plural, no trecho “Por todo o exposto, o “Estado Regulador ... possuem...”, está errada, haja vista que o sujeito é “Estado Regulador”, portanto o verbo deve ficar na 3ª pessoa do singular: “possui”. A segunda referência indica, portanto, erro gramatical. A colocação pronominal no trecho “de maneira a fazê-lo consentâneo com a consolidação do novo paradigma de Direito Administrativo” (l. 28-29), na forma enclítica “fazê-lo”, está correta, portanto a terceira observação não indica erro gramatical. Na linha 33, no trecho “que rompa os grilhões e os gargalos burocráticos, as redundâncias excessivas e as omissões...”, os artigos destacados na transcrição estão corretos, porque se pode registrar apenas antes do primeiro termo (“grilhões”), ou de todos, como foi feito. Portanto a quarta observação não indica erro gramatical. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________ Questão 14 – Coordenação e subordinação (orações) Com relação ao trecho “O certo é que nada se apresenta mais crucial, no curso da presente crise ético-jurídica mundial, do que redefinir material e formalmente, o modelo regulatório, sem o desatino ingênuo das mudanças abruptas, todavia sempre com o efetivo compromisso ético com a eficácia crescente do direito fundamental à boa administração pública” (l.35-38), pode-se afirmar que é composto por três orações, a saber: 1ª)“O certo é”; 2ª) “que nada se apresenta mais crucial”; 3ª “do que redefinir... o modelo regulatório”. O restante são adjuntos adverbiais. Portanto está errada a assertiva I. A oração principal é a primeira: “O certo é”. Correta, por isso, a assertiva II. O segmento iniciado por “todavia” não possui verbo, razão por que não é oração. Errada, por essa razão, a assertiva III. A oração “... que redefinir... o modelo...” é reduzida de infinitivo. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: D. _____________________________________________________________________________ Questão 15 – Verbos (formas nominais e conjugação verbal) O verbo “poder”, destacado no trecho “As autarquias reguladoras são – ou deveriam ser, interdependentes e, a despeito de não poderem efetuar a definição da política setorial, podem corrigir falhas de mercado e de governo na execução ou conformação sistemática dessas políticas...” (l. 04-06), aparece conjugado no infinitivo pessoal porque está regido de preposição, procedendo o verbo da oração principal, que é “corrigir”, na locução “podem corrigir”. O verbo “romper”, no trecho “Sim, regulação intertemporal, que rompa os grilhões e os gargalos burocráticos” (l. 32-33), está conjugado na terceira pessoa do singular do presente do subjuntivo. Observe-se a conjugação de “romper” no presente do subjuntivo: que eu rompa que nós rompamos que tu rompas que vós rompais que ele(a) rompa que eles(as) rompam RESPOSTA: A. _____________________________________________________________________________ Questão 16 – Reescritura de trechos A frase “Não se trata de impor limites exacerbados à inovação ou à sofisticação dos mercados, mas de coibir a fraude, a desinformação e as manipulações espúrias” (l.34-35) está reescrita com manutenção do sentido original na assertiva I, porque “Não se trata” apresenta equivalência de sentido com “Não se refere” e os demais trechos. Na reconstrução apresentada na II assertiva, não há equivalência de sentido com o segmento original, porque a expressão “limites exacerbados”, que significa “limites exagerados”, não encontra identidade com “importantes limites”. Além disso, “coibir a fraude, a desinformação e as manipulações espúrias” não se traduz por “diminuir a fraude...”. “Coibir” é proibir, combater, diferente, portanto, de “diminuir”. A reescritura presente na assertiva III não possui identidade de sentido com a construção original, porque inverteu as relações e as diferenciou do trecho base. RRESPOSTA: A. _____________________________________________________________________________ Questão 17 – Regência e crase No trecho “mas que atingem ___ reputação ou ___ marca de uma empresa, podem ter efeito” (l. 24-25), as duas lacunas devem ser preenchidas apenas pelo artigo “a”, porque o verbo “atingir” é transitivo direto, não exigindo preposição. Logo o trecho, com as lacunas preenchidas, terá a seguinte redação: “mas que atingem a reputação ou a marca de uma empresa, podem ter efeito”. Errada, portanto, a assertiva I. No trecho “De fato, existem argumentos _____ medidas punitivas eventuais, como multas elevadas, podem até encorajar o contribuinte...” (l. 19-20), a lacuna deve ser preenchida por “de que”, porque o termo “argumentos” exige “de”. Observe-se o trecho já com a lacuna preenchida: “De fato, existem argumentos de que medidas punitivas eventuais, como multas elevadas, podem até encorajar o contribuinte...”. Já a lacuna do segmento “O nível da atividade econômica, seja de uma maneira geral ou do segmento específico ______ pertence uma empresa/contribuinte...” (l. 26-27) deve ser preenchida por “a que”, porque o verbo “pertencer” exige a preposição “a”. Observe-se o segmento com a lacuna já preenchida: “O nível da atividade econômica, seja de uma maneira geral ou do segmento específico a que pertence uma empresa/contribuinte...” A construção “a que” é exigida por um verbo. Errada, portanto a assertiva II. Quanto à lacuna do trecho “... podem até encorajar o contribuinte ____ não cumprimento em anos subsequentes...” (l. 20-21), deve receber a combinação da preposição “a” com o artigo “o”, formando “ao” e atendendo à regência do verbo “encorajar” (que exige preposição “a”) e ao gênero de “cumprimento” (masculino). O trecho, já com a lacuna preenchida, terá a seguinte redação: ““... podem até encorajar o contribuinte ao não cumprimento em anos subsequentes...”. Correta, pois, a assertiva III. A lacuna da linha 25, no trecho “marca de uma empresa, podem ter efeito muito mais significativo _______ o custo pecuniário”, pode ser preenchida com “de que”, “do que” ou apenas “que”. A afirmação “... dever-se-ia preencher...”, portanto, traduz obrigação, quando, em verdade, há três opções de preenchimento. Errada, dessa forma, a assertiva IV. RESPOSTA: B. _____________________________________________________________________________ Questão 18 – Pronomes O trecho “A ideia de mudar, ou pelo menos, influenciar significativamente o comportamento do contribuinte” (l.05) não pode ser substituído pelo pronome demonstrativo “Essa”, porque o trecho anterior, compreendido entre as linhas 01 e 04 do texto, não faz referência a elemento feminino. A substituição poderia ser por “Isso”, evidenciando-se referência a todo o trecho do 1º parágrafo. Observe-se: “Todos os órgãos ou agências tributárias têm a obrigação de assegurar o maior nível possível de cumprimento das diferentes leis e regulamentos dentro de sua área de atuação, pois isso é um elemento essencial para maximizar a arrecadação. Para assegurar o máximo cumprimento, a entidade arrecadadora deve buscar influenciar o comportamento do contribuinte. Isso não é novo para as administrações tributárias”. Errada, portanto, a assertiva I. No trecho “Por último, mas não menos importante, alguns estudos acadêmicos, a prática e a história nos mostram que a equidade praticada pelo Fisco em representação do Estado tem papel fundamental no comportamento do contribuinte...” (l. 43-45), a substituição da expressão “do contribuinte” (destacada na transcrição) pela contração da preposição “de” com o pronome “ele”, em “dele”, causaria alterações sintáticas e semânticas, haja vista que não há referente anterior que sustente a utilização da contração. Errada a assertiva II. No segmento “A percepção de justiça por parte do contribuinte, seja na forma de pagar o tributo, seja na maneira como ele se relaciona com a administração tributária, é um elemento importante na aceitação do tributo e, portanto, na sua disposição de cumprir com a obrigação de pagá-lo” (l. 45-47), o pronome possessivo “sua” (destacado na transcrição) tem nítida referência a “contribuinte”, que é o possuidor, enquanto “tributo” é o elemento possuído, pois a disposição para pagar o “tributo” é do “contribuinte”. Está errada, dessa forma, a assertiva III. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________ Questão 19 – Concordância verbal Se, da construção “Todos os órgãos ou agências tributárias têm a obrigação de assegurar o maior nível possível de cumprimento das diferentes leis e regulamentos dentro de sua área de atuação, pois isso é um elemento essencial para maximizar a arrecadação” (l. 01-03), fosse suprimida a expressão “ou agências tributárias” (destacada na transcrição), a forma verbal “têm” (também destacada na transcrição) não sofreria alteração, pois o sujeito continuaria na terceira pessoa do plural representado pela sequência “Todos os órgãos”. Verdadeira a primeira assertiva. Na construção “A dissuasão, resultante de auditorias, multas, risco de prisão e outras formas mais ou menos severas de punição, constitui a primeira resposta quando se fala em maneiras de obrigar um contribuinte a pagar seus impostos” (l. 16-18) está corretamente flexionado no singular porque o núcleo o sujeito é “dissuasão”. A sequência “resultante de auditorias, multas, risco de prisão e outras formas mais ou menos severas de punição” exerce função sintática de aposto, que qualifica o sujeito “A dissuasão”. Falsa a segunda afirmação. No trecho “De fato, existem argumentos _____ medidas punitivas eventuais, como multas elevadas, podem até encorajar o contribuinte ____ não cumprimento em anos subsequentes” (l. 19-21), se a expressão “multas elevadas” fosse singularizada, não haveria alteração na estrutura restante da construção, porque o sujeito da forma verbal “podem” é “argumentos”. Observe-se a construção com a alteração sugerida: “De fato, existem argumentos _____ medidas punitivas eventuais, como multa elevada, podem até encorajar o contribuinte ____ não cumprimento em anos subsequentes”. Falsa a terceira afirmação. Se no trecho “... mas, na realidade, existem também muitos contribuintes...” (l. 37) o sujeito da forma verbal “existem”, que é “muitos contribuintes”, fosse passado para o singular, tomando a forma “muito contribuinte”, o verbo “existir”, na forma verbal “existem”, destacada na transcrição, passaria para o singular: “existe”, para concordar com “contribuinte”. Observe-se a construção já com a alteração: ““... mas, na realidade, existe também muito contribuinte...”. Verdadeira, portanto, a quarta assertiva. RESPOSTA: A. _____________________________________________________________________________ Questão 20 – Funções do SE e verbos Considerando-se as frases • “a maneira como se administravam os tributos” (l.11) • “quando se fala em maneiras de obrigar” (l.17) • “Não se deve matar as ‘galinhas dos ovos de ouro’” (l.31) • “deve se esmerar em limitar as oportunidades” (l.33-34), pode-se afirmar que, na primeira e na terceira frases, o “se” exerce a função de partícula apassivadora, já que os verbos “administrar” e “matar” são transitivos diretos; já na segunda e na quarta frases, o “se” funciona como índice de indeterminação de sujeito, haja vista que os verbos “falar” e “esmerar” estão sendo empregados como transitivos indiretos. Portanto em nenhuma das quatro frases o “se” funciona como pronome reflexivo. Está errada, por isso, a assertiva I. Em nenhuma das quatro frases, o verbo que aparece destacado é pronominal, porque são verbos que aparecem com pronome “se” em razão da natureza semântica da mensagem. Portanto está errada a assertiva II. A primeira frase está na passiva sintética. A forma “... como se administravam...” equivale, na passiva analítica, a “como eram administrados”. As demais frases estão na voz ativa. Correta a assertiva III. Na terceira e quarta frases, há locuções verbais: “deve matar” e esmerar em limitar”. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: D. _____________________________________________________________________________ Questão 21 – Parônimos e acentuação gráfica Com relação às palavras • são (l.13) • cumprimento (l.14) • influencia (l.27) • intenção (l.39), pode-se afirmar que “são” é forma verbal de “ser”, conjugado na 3ª pessoa do plural do presente o indicativo, conforme se vê abaixo: eu sou nós somos tu és vós sois ele(a) é eles(as) são Além disso, a palavra “são também pode ser empregada como adjetivo, significando “sadio”. Portanto possui homônima. As demais palavras não possuem homônimas. Correta a assertiva I. As palavras “cumprimento” é parônima de “comprimento”; a forma verbal “influencia” é parônima do substantivo “influência”. No vocábulo “são”, as duas formas já referidas neste comentário são homônimas. Correta, portanto, a assertiva II. No vocábulo “influencia”, pode-se registrar acento circunflexo, gerando o substantivo “influência”. Nos demais vocábulos, não é possível inserir acento circunflexo que possa gerar outra palavra existente em Língua Portuguesa. Correta, pois, a assertiva III. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________ Questão 22 – Semântica e interpretação de texto A expressão “dito popular”, presente na linha 33, não é uma pleonasmo, porque se poderia referir apenas a “dito” (de alguém), sem ser “popular”. Não há, dessa forma, redundância. Está errada, por isso, a assertiva I. Em “Não se deve matar as ‘galinhas dos ovos de ouro’” (l. 31), a expressão, no contexto da ocorrência, significa, efetivamente, que uma das fontes de ganhos da receita não pode ser destruída. Observe-se que a frase vem imediatamente após o trecho “Endurecer com empresas em clara dificuldade financeira dificilmente resultará em maior arrecadação, e a visão de longo prazo deve prevalecer, não apenas o que ocorre em um exercício em particular” (l. 29-31). No segmento, nota-se a especificação argumentativa em relação às empresas, não ao particular em geral, o que configura uma das fontes da receita. Correta a assertiva II. No trecho “Facilitar o cumprimento das obrigações tributárias é tão importante como ‘fechar o cerco’ para evitar possibilidades de evasão” (l. 41-42), a expressão popular “fechar o cerco” significa “cercar”, “fiscalizar com mais intensidade”, não podendo, portanto, ser substituída por “fechar o circo”, que seria impedir a diversão, a arte. Errada a assertiva III. RESPOSTA: D. _____________________________________________________________________________ Questão 23 – Interpretação de texto QUESTÃO RECORRÍVEL Está errada a assertiva I, porque os três primeiros parágrafos do texto (l. 01-15) são dependentes e consequentes entre si. O primeiro aborda a obrigação de os órgãos ou agências tributárias assegurarem o cumprimento de leis dentro da sua área de atuação; o segundo parágrafo, por sua vez, aborda o trabalho dos órgãos e das agências no sentido de entender o que motivo o contribuinte a cumprir sua obrigação, além de buscar conhecer o comportamento do contribuinte; já no terceiro parágrafo, aborda-se, entre outros assuntos, a forma como se administra o fisco. Errada, portanto, a assertiva I. Com relação à assertiva II, nenhum dos parágrafos do texto base, em que se inspiram as questões 17 a 24, inicia por travessão, desfazendo-se, por completo, a possibilidade de responder à proposta. Acredita-se que tenha sido ausência de revisão da banca da Fundatec. Por essa razão, essa questão 23 deve sofrer anulação. Na assertiva III, o texto possui inúmeros elementos de articulação, a exemplo de “pois isso” (l. 02), “Para” (l. 03), “Mas” (l. 07), “pois” (l. 08), “No entanto” (l. 18), entre tantos outros, além de apresentar nítida progressão temática, desenvolvida ao longo do artigo. Errada, portanto, a assertiva III. QUESTÃO RECORRÍVEL EM RAZÃO DE, NA ASSERTIVA II, HAVER REFERÊNCIA A PARÁGRAFOS INICIADOS POR TRAVESSÃO. NO TEXTO, NENHUM DOS PARÁGRAFOS INICIA POR TRAVESSÃO, O QUE ENSEJA A ANULAÇÃO DA QUESTÃO. _____________________________________________________________________________ Questão 24 – Interpretação de texto É falsa a primeira afirmação relativa ao texto, porque, segundo o artigo, a administração dos tributos envolve todos os tipos de relação tributária, sejam eles eficazes ou não, tanto no processo de pagamentos de tributos, quanto no recebimento dos impostos. O texto deixa claro, em especial no 2º parágrafo, que é preciso garantir que os contribuintes compreendam a legislação tributária. Verdadeira a segunda afirmação. Em relação à terceira afirmação, observa-se que, no trecho “A percepção de justiça por parte do contribuinte, seja na forma de pagar o tributo, seja na maneira como ele se relaciona com a administração tributária, é um elemento importante na aceitação do tributo e, portanto, na sua disposição de cumprir com a obrigação de pagá-lo. A percepção de justiça ou equidade é, sem dúvida, importante, mas não é o único elemento desejável, seja de um tributo ou da relação entre a administração tributária e o contribuinte” (l. 45-49), pode-se afirmar é preciso que o contribuinte compreenda que o Fisco trabalha sob o preceito de que todos são iguais e de que há justiça na cobrança dos tributos. Verdadeira, portanto, a terceira afirmação. RESPOSTA: C. _____________________________________________________________________________ AS QUESTÕES 12 E 23 SÃO RECORRÍVEIS, CONFORME AS EXPLICAÇÕES PRESENTES NESTES COMENTÁRIOS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial deste material, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 – Lei dos Direitos Autorais). Prof. Menegotto® - menegotto@cpcrs.com.br - professormenegotto.blogspot.com - WWW.cpcrs.com.br

sábado, 2 de agosto de 2014

O QUE É PRECISO PARA ALCANÇAR O PROVIMENTO?

O primeiro reality show de concurseiros do Brasil Pensado para ser um jogo entre concurseiros, PROVIMENTO se propõe a ser uma ferramenta de evolução na preparação para concursos. Vinte competidores participam de provas e de tarefas de planejamento e metodologia de aprendizagem, visando a um resultado: O PROVIMENTO DO CARGO. Além de aprender a estudar orientado Leia mais em www.provimento.com.br

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA DO TRIBUNAL REGINAL FEDERAL DA QUARTA REGIÃO - TRF4 - PROVA REALIZADA DIA 27 DE JULHO DE 2014

COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO – TRF – BANCA DA FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS – FCC – PROCESSO DE SELEÇÃO OCORRIDO NO DIA 27 DE JULHO DE 2014 – (Caderno de Prova ‘02’, Tipo 002) Questão 1 – Interpretação de texto No primeiro parágrafo do texto, a referência a que “o progresso moderno tem amiúde um custo destrutivo” não estabelece noção de finalidade, mas informa que repetidas vezes o progresso impõe alguma destruição. Errada, portanto, a assertiva (B). As duas indagações presentes no segundo parágrafo não são retóricas, porque, em verdade, são indagações do autor para as quais não há respostas, mas que são, de certa forma, interpretadas pelo autor nos parágrafos seguintes. Dessa forma, não podem ser suprimidas. Errada, portanto, a opção (C). No primeiro parágrafo, a afirmação de que “nossa época produz milagres todos os dias” está associada ao campo da técnica e da ciência. No quarto parágrafo, o autor afirma que a “cultura de massas nasce com o predomínio da imagem e do som sobre a palavra”. Portanto a afirmação presente no primeiro parágrafo não está associada à que se lê no quarto parágrafo e, dessa forma, a primeira não encontra respaldo na segunda. Errada, pois, a alternativa (D). A afirmação de que “as humanidades humanizam” é , segundo o autor, um mito está justificado pelo fato de que se duvida de que uma educação liberal garantiria um futuro de liberdade e igualdade de oportunidades nas democracias modernas, porque os campos de concentração podem estar nas proximidades de museus, bibliotecas e universidades, ideias que são defendidas no segundo parágrafo do texto. Logo “o mito de que as humanidades humanizam” não se justifica a partir do fato de que nem todas as classes sociais possuem acesso à tecnologia moderna. Errada a associação contida na opção (E). RESPOSTA: (A). _____________________________________________________________________________________ Questão 2 – Interpretação de texto O autor do texto discorda dos pensadores citados a afirmar que “a publicidade e as modas que lançam e impõem os produtos culturais em nossos tempos são um obstáculo a indivíduos independentes” (quinto parágrafo). Observe-se que o segundo período do quinto parágrafo inicia pela conjunção coordenativa adversativa “Contudo”, o que evidencia, naquele trecho, a contrariedade do autor à ideia dos pensadores citados, que defendem a “cultura planetária”. Correta a assertiva (B). RESPOSTA: (B). _____________________________________________________________________________________ Questão 3 – Emprego de pronomes (referentes e referidos) No trecho “... denominadores culturais dos quais participam indivíduos dos cinco continentes, aproximando-os e igualando-os apesar das diferentes tradições e línguas que lhes são próprias” (terceiro parágrafo), o pronome “lhes” retoma “indivíduos” (destacados na transcrição): “tradições e línguas” que são próprias aos indivíduos. No trecho “A indústria cinematográfica, sobretudo a partir de Hollywood, ‘globaliza’ os filmes, levando-os a todos os países ...” (quarto parágrafo), o pronome oblíquo átono “os” retoma “os filmes” (destacados na transcrição) = ... levando os filmes.... Quanto ao segmento “... a diferença essencial entre a cultura do passado e o entretenimento de hoje é que os produtos daquela pretendiam transcender o tempo presente, continuar vivos nas gerações futuras, ao passo que os produtos deste são fabricados para serem consumidos no momento...” (sétimo parágrafo), a contração da preposição “de” com o pronome demonstrativo “este”, gerando “deste” (destacado na transcrição), retoma “tempo presente”, por estar mais próximo. Já a contração da preposição “de” com o pronome demonstrativo “aquela”, gerando “daquela” (destacado na transcrição) retoma “cultura do passado”. RESPOSTA: (A). _____________________________________________________________________________________ Questão 4 – Regência verbal (reconhecimento de transitividade) Na opção (A), a forma verbal “produz” tem como complemento (objeto direto) “milagres”, portanto “produzir” está empregado como transitivo direto; já a forma verbal “humanizam”, apesar de originalmente o verbo “humanizar” ser transitivo direto (quem humaniza humaniza algo ou alguém), está empregada na condição de verbo intransitivo, porque não há objeto. Portanto, na opção (A), os verbos não apresentam igual tipo de complemento. Na opção (B), os verbos “nascer” (na forma “nasce”) e “ser” (na forma “é”) são, respectivamente, intransitivo e de ligação, não apresentando, portanto igual tipo de complemento. Quanto à alternativa (C), o verbo “destruir”, no segmento “destruiu o mito...”, e “produzir”, no segmento “produz milagres”, estão ambos empregados como transitivos diretos, sendo seus complementos (objetos diretos), respectivamente, “o mito” e “milagres”. Com relação à alternativa (D), o verbo “nascer”, no segmento “Essa cultura de massas nasce”, trata-se de verbo intransitivo, não possuindo complemento; já o verbo “contribuir”, no segmento “contribui para...”, está empregado como transitivo indireto, sendo seu complemento (objeto indireto) “para reduzir a pobreza” (primeiro parágrafo). Em relação à opção (E), o verbo “prosperar” é intransitivo, não apresentando complemento, e “destruir”, no segmento “destruiu o mito”, é transitivo direto, sendo seu objeto direto “o mito”. RESPOSTA: (C). _____________________________________________________________________________________ Questão 5 – Crase Quanto à opção (A), na substituição do segmento destacado em “ao alcance de todos” por “dispor de todos”, manter-se-á a preposição “a” combinada com o artigo “o”, porque “dispor” é palavra masculina, não ocorrendo, portanto condições para a crase: “... ao dispor de todos”. Na alternativa (B), no trecho “... por meio dos quais se transmitem as humanidades...”, o “as” (destacado na transcrição) é apenas artigo, já que “humanidades e ciências” são sujeito de “se transmitem”, não objeto indireto. Por isso a substituição de “as humanidades” por “ciências humanas” manterá a presença exclusiva de artigo definido feminino plural: “... por meio dos quais se transmitem as ciências humanas...”. Na proposta de substituição do segmento destacado na alternativa (C), em “... a todas as camadas sociais”, por “qualquer classe social”, o “a”, que é apenas preposição, permanecerá, porque “qualquer” é pronome indefinido, e antes de pronome indefinido não há artigo, logo não haverá crase. Na opção (D), a substituição do termo destacado em “... se nos referimos a coisas completamente diferentes...” por “uma coisa completamente diferente”. No segmento referido na alternativa (E), a substituição da expressão destacada em “são um obstáculo a indivíduos independentes” por “criação de indivíduos independentes” produzirá as condições para a crase, porque “obstáculo” rege preposição “a” e “criação” é palavra feminina. O resultado da proposta de substituição resultará na construção “são um obstáculo à criação de indivíduos independentes”. RESPOSTA: (E). _____________________________________________________________________________________ Questão 6 – Semântica e relações sintáticas em geral Quanto à opção (A), a substituição de “amiúde”, que significa “com frequência”, “repetidamente”, no trecho “Mas o progresso moderno tem amiúde um custo destrutivo” (primeiro parágrafo), por “mormente” não alteraria a construção, mas mudaria o sentido da mensagem, porque “mormente” significa” “principalmente”, “sobretudo”. A conjunção “contudo” é coordenativa adversativa, expressando oposição; sua substituição por “dado que” alteraria significativamente o sentido, porque tal conjunção indica causa. Portanto a proposta da alternativa (B) não pode ser considerada. Quanto à opção (C), no trecho “Mas o progresso moderno tem amiúde um custo destrutivo...” (primeiro parágrafo), a substituição da conjunção “Mas”, que é conjunção coordenativa adversativa, por “Embora”, que é conjunção subordinativa concessiva, não manteria o sentido original da mensagem, apesar de ambas as conjunções indicarem, a rigor, oposição. A utilização de “Embora” no lugar de “Mas”, no trecho referido, não apenas exigirá a mudança do modo verbal do verbo “ter”, na forma “tem” (presente do indicativo), para “tenha” (presente do subjuntivo), quanto também transformará a oração em subordinada, que ficará sem sentido em razão da ausência de uma oração principal. Observe-se: “Embora o progresso moderno tenha amiúde um custo destrutivo, por exemplo, em danos irreparáveis à natureza, e nem sempre contribui para reduzir a pobreza”. A proposta contida na alternativa (D) está correta, porque, no trecho “A meu ver, a diferença essencial entre a cultura do passado e o entretenimento de hoje é que os produtos daquela pretendiam transcender o tempo presente, continuar vivos nas gerações futuras, ao passo que os produtos deste são fabricados para serem consumidos no momento e desaparecer” (sétimo parágrafo), o emprego do nexo “ao passo que” (destacado na transcrição) está indicando ideia de simultaneidade comparativa, podendo, portanto, ser substituído por “enquanto”. Observe-se a construção já com a substituição: “A meu ver, a diferença essencial entre a cultura do passado e o entretenimento de hoje é que os produtos daquela pretendiam transcender o tempo presente, continuar vivos nas gerações futuras, enquanto os produtos deste são fabricados para serem consumidos no momento e desaparecer”. Errada a proposta contida na opção (E), porque a palavra “Tal”, destacada no trecho “Tal cultura planetária teria, ainda desenvolvido um individualismo extremo em todo o globo” (quinto parágrafo), está empregada como pronome de caráter demonstrativo (referenciador), equivalente a “Esta cultura planetária”, portanto não poderia ser substituída por “Tamanha”, porque alteraria o sentido original da mensagem. RESPOSTA: (D). _____________________________________________________________________________________ Questão 7 – Reescritura de trecho com manutenção de correção (Redação – confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas) Há erro de concordância na redação oferecida na alternativa (A). O verbo que inicia a cosntrução deve estar no plural, porque seu sujeito é “aqueles produtos culturais que não sejam divertidos”. O trecho, corrigido, terá a seguinte redação: “Não se considerariam, nos dias de hoje, como sendo cultura, aqueles produtos culturais que não sejam divertidos”. Está correta a construção contida na alternativa (B). Há dois erros de concordância nominal na construção da opção (C): 1. a forma “Dado” deve ser pluralizada para concordar com “custos”, ou ser trocado por “Devido aos”; 2. o adjetivo “destruída” deve ficar no masculino para concordar com “mito”. O trecho, corrigido, terá a seguinte redação: “Dados os custos destrutivos do progresso, o mito segundo o qual as humanidades humanizam foi destruído pela pós-modernidade”, ou “Devido aos custos destrutivos do progresso, o mito segundo o qual as humanidades humanizam foi destruído pela pós-modernidade”. Registram-se dois erros na construção presente na alternativa (D): 1. o primeiro é de pontuação, porque a vírgula logo após “tecnológica” está separando o sujeito (“As características da cultura no contexto da globalização e da extraordinária revolução tecnológica”) do verbo (“procurou”); 2. o segundo é de concordância verbal, pois, sendo o sujeito “As características da cultura no contexto da globalização e da extraordinária revolução tecnológica” (no plural), deve ser “procuraram”. O texto, corrigido, terá a seguinte redação: “As características da cultura no contexto da globalização e da extraordinária revolução tecnológica procuraram se definir em numerosos trabalhos”. Há dois erros na construção contida na alternativa (E): 1. o primeiro é de concordância verbal, porque o sujeito de “configure” é “as modas impostas pelos produtos culturais de nosso tempo”, sendo seu núcleo “modas”, o que obrigado o verbo a ser corrigido para “configurem”; 2. o segundo erro é de colocação pronominal, porque a presença de “embora”, que é conjunção subordinativa, no início da oração atrai para si o pronome oblíquo “se” de “configure-se”, devendo ser “se configure”. O segmento, corrigido, terá a seguinte redação: “Um individualismo extremo fora desenvolvido pela cultura planetária, embora as modas impostas pelos produtos culturais de nosso tempo se configurem como obstáculo a indivíduos independentes”. RESPOSTA: (B). _____________________________________________________________________________________ Questão 8 – Interpretação de texto Pode-se inferir corretamente da leitura do texto que o autor tece uma comparação entre as duas fases da adolescência, em que destaca a presença da ingenuidade em ambas e em nenhuma se consideram as características artísticas do livro. Isso se evidencia em várias passagens do texto, como, por exemplo, “Mas no leitor ingênuo, (sic) essa lei dos reflexos toma a forma de um desinteresse pelo livro como obra de arte. Pouco importa a impressão literária, o sabor do estilo, a voz do autor” (terceiro parágrafo). Essa inferência está contida na alternativa (A). As demais alternativas contêm interpretações não autorizadas pelo texto. RESPOSTA: (A). _____________________________________________________________________________________ Questão 9 – Funções sintáticas No trecho “Ler um livro é desinteressar-se a gente deste mundo comum e objetivo para viver noutro mundo”, os elementos grifados exercem, respectivamente, as funções de sujeito e de adjunto adverbial. Na alternativa (A), no trecho “... um ressentimento de namorado ainda ferido nas suas primeiras ilusões” (quarto parágrafo), o termo “ressentimento” é núcleo do objeto direto do verbo “refletir”, considerando-se o trecho no seu todo: “... refletia um ressentimento de namorado ainda ferido nas suas primeiras ilusões...”. Já a expressão “nas suas primeiras ilusões” funciona como adjunto adverbial. Apenas a segunda função corresponde, portanto, ao segundo destaque no trecho do enunciado. Quanto aos termos destacados na alternativa (B), em “... os românticos perdiam terreno em proveito dos naturalistas...”, o primeiro exerce a função de sujeito da oração, enquanto o segundo é adjunto adverbial. As funções, portanto, correspondem às destacadas no trecho do enunciado. Na opção (C), no trecho “... essa lei dos reflexos toma a forma de um desinteresse...”, as funções sintáticas exercidas pelos termos em destaque são, respectivamente, sujeito e complemento nominal. Apenas a primeira função corresponde, portanto, ao primeiro destaque no trecho do enunciado. Com relação à alternativa (D), no trecho “... o excesso engendrava o excesso contrário...”, as funções exercidas pelos termos destacados são, respectivamente, núcleo do sujeito e adjunto adnominal. Apenas a primeira função corresponde, portanto, à função do primeiro destaque no trecho do enunciado. Os trechos destacados na opção (E), no segmento “... de modo geral, nós nos lemos através dos livros”, exercem, respectivamente, as funções de objeto direto do verbo “ler” e adjunto adverbial de modo. Apenas a segunda função corresponde, portanto, ao segundo destaque no trecho do enunciado. RESPOSTA: (B). _____________________________________________________________________________________ Questão 10 – Identificação do sujeito, concordância verbal e pontuação No trecho “Há dentro dele uma floração de virtualidades recalcadas que, não encontrando desimpedido o caminho estreito da ação... (terceiro parágrafo), o verbo “haver”, na forma destacada na transcrição, está empregado como impessoal, não tendo sujeito, sendo seu objeto “uma floração de virtualidades recalcadas”. Já o verbo “encontrar”, na forma destacada na transcrição, tem como sujeito “o caminho estreito da ação”. Portanto está errada a assertiva I. Na construção “Pouco importa a impressão literária, o sabor do estilo, a voz do autor” (terceiro parágrafo), a forma verbal destacada na transcrição está anteposta a sujeito composto, formado por três expressões: “a impressão literária, o sabor do estilo, a voz do autor”. Verbo anteposto a sujeito composto poderá concordar com o mais próximo ou com todos os núcleos do sujeito. Portanto a frase poderia ser escrita corretamente da seguinte forma: “Pouco importam a impressão literária, o sabor do estilo, a voz do autor”. Correta a assertiva II. Em “Formava-se muitas vezes, coincidindo com manifestações mórbidas...” (quarto parágrafo), a expressão “muitas vezes”, que funciona como adjunto adverbial e está deslocada, pode ficar isolada por vírgulas, sem prejuízo para a correção e o sentido do texto. Observe-se a redação com o acréscimo da vírgula: “Formava-se, muitas vezes, coincidindo com manifestações mórbidas...”. Correta a assertiva III. RESPOSTA: (D). _____________________________________________________________________________________ Questão 11 – Emprego de conjunções e seus significados No segmento “... procura o reflexo dos seus sentimentos imediatos, identificando-se logo com o protagonista ou herói do romance” (segundo parágrafo), a forma verbal destacada na transcrição introduz oração subordinada reduzida de gerúndio com ideia de modo, portanto poderia ser substituída, sem prejuízo do sentido, por “de modo a identificar-se”, porque “de modo a” revela ideia de modo. As demais alternativas geram as seguintes ideias: “porque se identifica” – causa/explicação; “caso se identifique” – condição; “à medida que se identifica” – proporção; “posto que se identifique” – concessão. RESPOSTA: (E). _____________________________________________________________________________________ Questão 12 – Semântica e identificação de orações Na construção da alternativa (A), no trecho “Há dentro dele uma floração de virtualidades recalcadas que, não encontrando desimpedido o caminho estreito da ação...” (terceiro parágrafo), o segmento destacado é apenas objeto do verbo “haver” e uma simples informação, não se realizando relação de causa e consequência. Na alternativa (B), no trecho “Dava-se uma verdadeira subversão de valores na escala da sensibilidade...” (quarto parágrafo), o segmento sublinhado é consequência da afirmação contida no período anterior. Com relação à opção (C), o segmento destacado no trecho “... éramos nós então, por não sabermos ler nas entrelinhas” (quarto parágrafo) revela a causa da afirmação anterior, considerado o trecho na integralidade. No segmento da alternativa (D), no trecho “E daquela primeira fase de educação sentimental ... passava quase sempre o jovem monstro...” (quarto parágrafo), o trecho não indica causa, mas origem. No trecho da opção (E), “Isto, aliás, se dá mais ou menos com qualquer leitor, diante de qualquer livro...” (segundo parágrafo), a expressão destacada gera ideia de posição, não causa. RESPOSTA: (C). _____________________________________________________________________________________ Questão 13 – Regência verbal, emprego e colocação de pronomes oblíquos átonos No trecho “... esquecer as pequenas misérias da vida...”, o verbo “esquecer” está empregado como transitivo direto, portanto o segmento “as pequenas misérias da vida”, que é objeto direto do verbo “esquecer”, deve ser substituído pelo pronome “as”, procedendo-se à adequação junto ao verbo: “esquecê-las.” No segundo segmento, em “Quero dizer que, num folhetim ou num romance...”, o verbo “dizer” está empregado como transitivo direto, sendo seu objeto a oração iniciada pelo “que”, podendo ser substituído pelo pronome oblíquo átono “o”: “dizê-lo”. No terceiro fragmento, em “... os românticos perdiam terreno em proveito dos naturalistas”, o verbo “perder” está empregado como transitivo direto, sendo seu objeto direto “terreno”, que pode ser substituído pelo pronome oblíquo átono “o”, procedendo-se à adequação em razão de o verbo terminar em “m”: “perdiam-no”. RESPOSTA: (C). _____________________________________________________________________________________ Questão 14 – Vozes verbais São inapassiváveis os verbos impessoais, intransitivos, transitivos indiretos e de ligação. Somente os verbos transitivos diretos (ou transitivos diretos e indiretos) podem ser transpostos para a voz passiva. Na opção (A), o verbo “ler”, em “lemos”, é transitivo direto, e a frase pode ser transposta para a passiva, ficando com a seguinte redação: “... de modo geral nós somos lidos por nós através dos livros”. O verbo “ser”, em “é”, na construção da alternativa (B), é de ligação, portanto a frase não pode ser transposta para a passiva. Na construção presente na alternativa (C), o verbo “haver”, na forma “Há”, é impessoal, logo não possui sujeito. Portanto verbo sem sujeito não pode ser transposto para a passiva. O verbo “parecer”, em “parecia”, na opção (D), é de ligação, portanto não pode ser transposto para a voz passiva. O verbo “passar”, na construção “De vez em quando passam passos”, está empregado co o intransitivo, já que não possui objeto. O termo “passos” funciona como sujeito. Portanto não pode ser transposto para a voz passiva. RESPOSTA: (A). NÃO HÁ QUESTÃO RECORRÍVEL TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial deste material, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 – Lei dos Direitos Autorais). Prof. Menegotto® - menegotto@cpcrs.com.br - professormenegotto.blogspot.com - WWW.cpcrs.com.br

quarta-feira, 23 de julho de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O CARGO DE TÉCNICO TRIBUTÁRIO DA RECEITA ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL - SEFAZ - PROVA OCORRIDA EM 20 DE JULHO DE 2014

COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA TÉCNICO TRIBUTÁRIO DA RECEITA ESTADUAL – SECRETARIA DE FAZENDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL – BANCA DA FUNDATEC – PROCESSO DE SELEÇÃO OCORRIDO NO DIA 20 DE JULHO DE 2014 Questão 01 – regência, crase e emprego do verbo “haver” O advérbio “daqui” em geral não rege preposição. No caso específico da expressão “Daqui a pouco”, está regendo preposição “a”, mas a palavra “pouco” é advérbio, que não aceita artigo. Portanto, na lacuna da linha 07, deve aparecer apenas a preposição “a”. Errada a assertiva I. No caso da lacuna da linha 14, o adjetivo “ligados” rege preposição “a”, e a palavra “estratégia” é feminina, exigindo artigo “a”. Dessa forma, estão presentes as partes componentes da crase, devendo a lacuna ser preenchida por “à”. Errada a assertiva II. Nas lacunas das linhas 17 e 27, os adjetivos “dedicado” e “ligados” regem preposição “a”, mas, nos dois casos, as palavras que lhes seguem são masculinas (“temas” e “assuntos”), portanto não aceitam artigo definindo feminino. Nas duas situações, portanto, deve aparecer apenas a preposição “a”. Correta a assertiva III. Na lacuna da linha 44, deve aparecer a forma “há” (do verbo “haver”), porque está empregado como “existe”. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ Questão 02 – semântica e interpretação de texto No trecho “Mais tempo para socializar nas redes sociais” (l. 03), o termo “socializar” (destacado na transcrição) pode ser substituído por “sociabilizar”, porque atende à necessidade semântica do termo “socializar”, especialmente no sentido empregado, que é o de interagir de forma social. A primeira proposta de substituição, portanto, mantém o sentido da mensagem original. Com relação ao emprego de “fissurados”, destacado no trecho “... fissurados por uma rotina de correria e afazeres táticos” (l. 09-10), está empregado como “pressionados”, “obrigados a”, não sendo substituível, portanto, por “fendidos”, que significa “que tem fenda”, “rachados”. A segunda proposta de substituição, portanto, não mantém o sentido da mensagem original. O vocábulo “paradoxo”, destacado no trecho “Mas eis que o paradoxo aumenta: quanto mais tempo queremos, pior administramos o que temos” (l. 12-13), significa “falta de lógica” ou “contradição”. Nesse caso, não pode ser substituído por “metáfrase”, que significa expressão de um texto com outras palavras. A terceira proposta de substituição, portanto, não mantém o sentido original da mensagem. O termo “performance”, destacado no trecho “Estou falando de temas que podem gerar uma diferença significativa em termos de performance” (l. 15), que significa resultado de avaliação de desempenho, não pode ser substituído por “incipiência”, cujo significado é o estado ou a condição de quem está iniciando. A quarta proposta de substituição, portanto, não mantém o sentido original da mensagem. RESPOSTA: D. _______________________________________________________________________ Questão 03 – tempos e modos verbais No trecho “Queremos mais tempo...” (l. 03), a forma verbal destacada está conjugada no presente do indicativo, na 1ª pessoa do plural: eu quero nós queremos tu queres vós quereis ele(a) quer eles(as) querem A forma do verbo “querer”, na 1ª pessoa do plural do imperativo afirmativo, é “queiramos”, portanto está errada a assertiva I. A forma verbal “tivéssemos”, destacada no trecho “Mas se tivéssemos mais tempo...” (l. 35), está conjugada no pretérito imperfeito do subjuntivo: se eu tivesse se nós tivéssemos se tu tivesses se vós tivésseis se ele(a) tivesse se eles(as) tivessem Não existe o tempo verbal “pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo”. O tempo verbal pretérito mais-que-perfeito pertence ao modo indicativo. O modo subjuntivo é formado por três tempos verbais: presente, pretérito imperfeito e futuro. Errada, dessa forma, a assertiva II. No trecho “A forma como decidimos e alocamos o tempo para nossas rotinas...” (l. 39), o verbo destacado está conjugado no presente do indicativo: eu aloco nós alocamos tu alocas vós alocais ele(a) aloca eles(as) alocam Se estivesse conjugada no futuro do pretérito do indicativo, apresentaria a forma “alocaríamos”: eu alocaria nós alocaríamos tu alocaria vós alocaríeis ele(a) alocaria eles(as) alocariam Está correta, portanto, a assertiva III. RESPOSTA: C. Questão 04 – emprego e colocação de pronomes No trecho “Trata-se da fome...” (l. 01-02), o pronome destacado funciona como índice de indeterminação do sujeito, porque o verbo “tratar” está empregado como transitivo indireto. O pronome “se”, quando for empregado junto a verbo transitivo indireto, funcionará como indeterminador do sujeito. No caso, está empregado em ênclise (= pronome depois do verbo), e não em mesóclise (= pronome no meio do verbo), que só ocorreria se o verbo estivesse conjugado no futuro do presente ou do pretérito. E, por fim , não há relação entre a colocação do pronome “se” e a transitividade do verbo. Errada, portanto, a assertiva I. Na sequência “... ou com os relatórios cujos deadlines (ou não)...” (l. 20-21), o pronome destacado é relativo e estabelece ligação de posse entre “relatórios” (elemento antecedente possuidor) e “deadlines” (elemento subsequente e possuído). Correta a assertiva II. No trecho “Mas se tivéssemos...” (l. 35), a palavra sublinhada não é pronome reflexivo, mas conjunção subordinativa adverbial condicional. Nem se pode argumentar em relação ao seu deslocamento. Errada a assertiva III. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 05 – diversos aspectos gramaticais e sintáticos No trecho E acabamos tendo ainda menos tempo para nossos maridos, mulheres, namorados, filhos e pais; justamente as pessoas que têm maior importância em nossas vidas. E mesmo quando conseguimos tempo com eles, estamos sempre com o celular na mão [...] (l. 24-26), a expressão “as pessoas” poderia ser substituída pelo pronome “os”, mantendo-se o sentido original do fragmento. Observe-se com a alteração: E acabamos tendo ainda menos tempo para nossos maridos, mulheres, namorados, filhos e pais; justamente os que têm maior importância em nossas vidas. E mesmo quando conseguimos tempo com eles, estamos sempre com o celular na mão [...]. A troca é possível porque o pronome “os” está retomando “maridos, mulheres, namorados, filhos e pais”, substantivos masculinos no plural. Correta a assertiva I. Quanto ao verbo “ter”, no segmento “as pessoas que têm”, o acento circunflexo indica o plural, já que o sujeito é “as pessoas”. O acento, portanto, não pode ser suprimido. Errada a assertiva II. No segmento “E mesmo quando conseguimos tempo com eles”, a supressão da expressão “com eles” provocaria alteração de sentido, porque a mensagem não indicaria que o tempo foi conseguido com os “nossos maridos, mulheres, namorados, filhos e pais”, mas conseguido de forma indefinida. Errada a assertiva III. As vírgulas no segmento “nossos maridos, mulheres, namorados, filhos e pais” separam elementos de igual função sintática, ou itens de uma série, não orações justapostas. Observe-se que as vírgulas não separam segmentos com verbos, logo não são orações. Errada a assertiva IV. RESPOSTA: A. ___________________________________________________________________________________ Questão 06 – orações No trecho “Time Famine é uma expressão recente que diz muito sobre a rotina que vivemos hoje em dia” (l. 01), o segmento “Time Famine é uma expressão recente” é a oração principal de todo o período transcrito. Correta a assertiva I. As orações “que diz muito sobre a rotina” e “que vivemos hoje em dia” são ambas subordinadas adjetivas restritivas. A primeira está subordinada à principal, e a segunda, à anterior. Errada, portanto, a assertiva II. Na primeira oração iniciada por “que”, o referente é “expressão recente”; na segunda, o referente é “rotina”, portanto os referentes são diferentes. Errada a assertiva III. No período, há, como se viu nas explicações anteriores, três orações, sendo a primeira a principal (“Time Famine é uma expressão recente”) e duas orações subordinadas adjetivas restritivas (“que diz muito sobre a rotina” e “que vivemos hoje em dia”). Errada a assertiva IV. RESPOSTA: D. _______________________________________________________________________ Questão 07 – interpretação de texto Falsa a primeira afirmação, porque o autor afirma que a rotina de correria e dos afazeres táticos nos leva a ter dificuldades na administração do tempo. Não somos, portanto, impelidos a destinar nosso tempo apenas a afazeres táticos. Verdadeira a segunda afirmação, porque o paradoxo de que trata o autor está relacionado, em parte, ao modo como administramos nosso tempo. A sustentação dessa afirmação pode ser constatada na afirmação de que “quanto mais tempo queremos, pior administramos o que temos...” (l. 12-13) como, também, no segmento “E como não temos todo o tempo que queremos, trabalhamos até mais tarde e nos finais de semana” (l. 21-22). Falsa a terceira afirmação, pois a expressão “famintos de tempo” está relacionada, segundo o autor, à necessidade de administrar melhor o tempo que efetivamente temos, não que devamos aproveitar tempo adicional. Falsa a quarta afirmação, porque, em vários segmentos do texto, o autor deixa claro que o tempo individual é invadido pelas atividades do trabalho. Portanto o tempo individual não está preservado. RESPOSTA: C. _______________________________________________________________________ Questão 08 – estrutura e interpretação de texto Quanto à assertiva I, o autor efetivamente apresenta o tema ao leitor nos dois parágrafos iniciais, mas a presença de verbos e pronomes na primeira pessoa do plural nesses trechos (“vivemos” (l. 01), “temos” (l. 02), “queremos” (l. 03), “nossa”, “conquistamos” e “compramos” (l. 04), “ganhamos” e “temos” (l. 05) e “temos” (l. 06) indica que ele se inclui nessa reflexão. Errada a assertiva I. Nos parágrafos seguintes, entre as linhas 08 e 42, o autor efetivamente sintetiza vários pontos de vista sobre o tema, mas não trata, em todos os trechos, da impossibilidade de administrarmos nosso tempo. Por exemplo, no trecho entre as linhas 14 e 18 (4º parágrafo), o autor reconhece, mesmo por meio de interrogação, que muito do nosso tempo é usado para assuntos importantes, que podem gerar diferença significativa em termos de progresso (“competitividade e resultados para as empresas”). Errada a assertiva II. No parágrafo final, entre as linhas 43 e 44, o autor passa a se dirigir diretamente ao leitor, utilizando verbos no imperativo (“Pense” e “Seja” na l. 43), o que enseja aconselhamento ao leitor. Correta a assertiva III. RESPOSTA: C. _______________________________________________________________________ Questão 09 – concordância e regência verbal A lacuna da linha 10deve ser preenchida pela forma verbal “parecem”, na terceira pessoa do plural, haja vista que o sujeito da oração é “algumas visões de tempo interessantes”. Errada a assertiva I. A locução verbal “pode ser dividido” deve preencher a lacuna da linha 12, porque o sujeito é “O estudo de tempo e sociedade”, sendo seu núcleo “estudo”, no singular e masculino. Errada a assertiva II. Na lacuna da linha 25, deve aparecer o pronome oblíquo átono “o”, que representa o objeto direto do verbo “combater” (VTD), que é “ritmo da vida moderna”, cujo núcleo é “ritmo”. Errada a assertiva III. A forma verbal “incorpora” preenche adequada e corretamente a lacuna da linha 47, porque o sujeito é “tapeçaria”. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 10 – semântica e interpretação de texto Na construção “Em algumas culturas, o tempo é elástico, em outras, monolítico” (l. 02-03), a figura de linguagem presente no segmento destacado é metáfora, porque se trata de comparações, não metonímia. Falsa a primeira afirmação. O termo “tempo dos sonhos” (l. 08) foi empregado no contexto para indicar, segundo os aborígenes australianos, a origem (“mito da criação”) e um determinado método de localização, não porque vivem num mundo imaginário. Falsa a segunda afirmação. A expressão “cosmológico” (l. 12) está empregada em oposição a “pragmático”, significando transcendental, não “cosmométrico”, que diz respeito à medição do espaço cósmico. Falsa a terceira afirmação. O fragmento “o tempo é uma tapeçaria” (l 47) contém uma comparação, portanto a figura de linguagem é metáfora. Verdadeira a quarta afirmação. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 11 – regência verbal e nominal No trecho “... as regras de tempo social compõem uma linguagem silenciosa” (l. 13-14), se a forma verbal destacada for substituída por “fazem a composição”, deverá ser inserida a preposição “de” antes de “uma linguagem silenciosa”. Observe-se: “... as regras de tempo social fazem a composição de uma linguagem silenciosa”. Portanto a sugestão da assertiva I provoca alteração sintática no período. Quanto à assertiva II, a substituição de “levar”, destacado no trecho “... podem levar a mal-entendidos” (l. 16-17), por “conduzir” não provoca alteração sintática no período, porque a transitividade de ambas os verbos é igual, uma vez que os dois exigem preposição “a”. Observe-se: “... podem conduzir a mal-entendidos”. Com relação à assertiva III, substituindo-se a forma verbal “usa”, destacada no trecho “A maioria das culturas do mundo agora usa relógios e calendários” (l. 23), por “faz uso” provoca a inserção de preposição “de”. Observe-se: “A maioria das culturas do mundo agora faz uso de relógios e calendários”. No trecho “Sardar afirma que o Ocidente colonizou o tempo...” (l. 49), a substituição da forma verbal destacada por “tornou-se colonizador” exigirá o registro de preposição “de”. Observe-se: “Sardar afirma que o Ocidente tornou-se colonizador do tempo...”. Portanto a substituição sugerida na assertiva IV provoca alteração. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 12 – semântica e interpretação de texto Se a afirmação de que “O sistema de tempo no país estrangeiro pode ser composto de unidades básicas diferentes” (l. 19-20), o segmento “pode ser composto” significa que não há obrigatoriedade de o sistema de tempo no país estrangeiro ser composto de unidades básicas diferentes. A informação está contida na frase original na assertiva I. Considerando-se que “Levine e seus colegas fizeram novos estudos do ritmo de vida em 31 países”, o segmento “novos estudos” remete à ideia de que já houve outros estudos. A informação está contida na frase original na assertiva II. No segmento “A geography of time, publicado pela primeira vez em 1997...” (l. 30-31), entende-se que a obra tenha sido publicada outras vezes, não se podendo interpretar que tenha sido publicada uma única vez. A informação não está contida na frase original na assertiva III. RESPOSTA: C. _______________________________________________________________________ Questão 13 – pontuação A vírgula depois de “outras”, no segmento “Em algumas culturas, o tempo é elástico, em outras, monolítico” (l. 02-03), marca a elipse do verbo “ser”. Observe-se: “Em algumas culturas, o tempo é elástico, em outras é monolítico”. Não se trata de silepse. Errada a assertiva I. As sequências “Do ponto de vista prático” (l. 13) e “Em 1995” (l. 16) estão isoladas por vírgulas logo após por serem adjuntos adverbiais deslocados, portanto são justificadas pela mesma razão. Correta a assertiva II. No trecho “... três medidas: velocidade para andar nas calçadas urbanas, rapidez de um funcionário do correio em vender um simples selo e a precisão dos relógios públicos” (l. 32-33), os dois-pontos estão empregados para introduzir enumeração. Correta a assertiva III. A última vírgula da linha 44 isola espécie de aposto, que complementa a afirmação contida na oração anterior, não podendo ser substituída por ponto-e-vírgula, porque não se trata de uma oração coordenada. O ponto-e-vírgula, de regra, é empregado para separar orações coordenadas sem conetivo (= conjunção). Observe-se que o segmento “especialmente a seita fundamentalista wahhabista” não possui verbo, portanto não é oração. Errada a assertiva IV. RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ Questão 14 – fonética e acentuação gráfica As palavras “irá” (l. 01) e “até” (l. 04) são acentuadas pela regra das oxítonas e ambas possuem igual número de letras e fonemas: irá – 3 letras até – 3 letras /IRÁ/ - 3 fonemas /ATÉ/ - 3 fonemas Portanto está correta a assertiva I. Nas palavras “países” (l. 05) e “país” (l. 21), ocorrem hiatos (= vogais separadas): pa – í - ses pa-ís Quanto ao número de letras e fonemas, ambas apresentam, individualmente, igual quantidade de letras e fonemas: países – 5 letras país – 4 letras /PAÍZES/ - 5 fonemas /PAÍZ/ - 4 fonemas Portanto está errada a assertiva II. Se forem suprimidos os acentos gráficos ds palavras “vários” (l. 05) e “funcionário” (l. 32), resultariam as palavras “varios” e “funcionario”, que não exixtem em Língua Portuguesa. Errada a assertiva III. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 15 – interpretação de texto O texto deixa claro que há várias formas de perceber o tempo, pois tal percepção depende da cultura das sociedades. É possível comprovar-se isso a partir da leitura atenciosa do texto, especialmente nas informações contidas entre as linhas 05 e 11 (2º parágrafo) e entre as linhas 16 e 22 (4º parágrafo), entre outros. Portanto não há apenas duas formas se perceber o tempo. Errada a assertiva I. As conceituações elaboradas sobre o tempo dependem de cada cultura, portanto não são universais. Em alguns países, deixar alguém esperando é considerado normal ou tolerável, noutros, intolerável. Observem-se os trechos contidos, por exemplo, entre as linhas 01-02, 23-26, entre outros. Errada a assertiva II. Segundo o texto, especialmente em trechos já referidos nos comentários às assertivas I e II, os seres humanos lidam com o tempo de acordo com sua conceituação de tempo e com a cultura de cada país. Não há uma única maneira de lidar com o tempo. Errada, portanto, a assertiva III. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 16 – interpretação de texto No trecho das linhas 13-17, de acordo com um dos auditores-fiscais gaúcho, a política tributária influencia o processo econômico, portanto a política tributária não é influenciada pelo processo econômico. Errada a assertiva I. Segundo informações contidas no 1º parágrafo e, em especial, no trecho compreendido entre as linhas 18 e 22, uma das essências da nova cultura da Receita Estadual é propiciar arrecadação que possa fazer frente às demandas sociais que estão em ascensão. Correta a assertiva II. Segundo o texto, em particular no trecho compreendido entre as linhas 27 e 29, a Receita Estadual trabalha para manter um diálogo cortês e ágil na resposta aos contribuintes, não moroso. Errada a assertiva III. RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ Questão 17 – concordância verbal (identificação do sujeito) A forma verbal “produzem” (l. 02) tem como sujeito “Aceleradas mudanças na Receita Estadual do Rio Grande do Sul” ( l. 01). Correta a assertiva I. A forma verbal “sejam” (l. 07) tem como sujeito “conhecimentos técnicos e profissionais” (l. 05), e não especialistas nas universidades públicas e privadas”. Errada a assertiva II. A forma verbal “Trabalha” ( l. 27) tem como sujeito “o órgão” (l. 25-26), e não meta prioritária”. Errada a assertiva III. O sujeito do verbo “ser”, na forma “são” (l. 30), é “ a racionalização do uso dos recursos públicos da Secretaria da Fazenda, o aperfeiçoamento dos sistemas de informação, serviços e processos voltados ao cumprimento das atribuições e competências dos auditores-fiscais e gestão tecnológica dos recursos” (l. 31-33). O segmento “pontos de destaque na atuação da Receita Estadual” é predicativo do verbo “ser”. Errada a assertiva IV. RESPOSTA: A. _______________________________________________________________________ Questão 18 – reescritura de trechos Na construção original das linhas 18-19, vê-se que a política tributária “trata do nível e distribuição da carga de tributos e da estrutura e modelagem tributárias”, o que não corresponde à afirmação de que “é preciso que a política tributária se relacione com níveis de distribuição da cargas tributárias altas...”. A proposta de reescrita da assertiva I altera o sentido original da mensagem. De acordo com o sentido original do trecho das linhas 23-24, “o foco nas atividades de fiscalização, arrecadação e cobrança tem caracterizado a atuação atual da Receita Estadual”, não as principais atividades, o que representa inversão na mensagem. Portanto a proposta de reescrita da assertiva II altera o sentido original da mensagem. Em “... o órgão age ...” (trecho das l. 26-27), o sujeito de “agir” é determinado (“o órgão), diferentemente de “age-se”, em que se indeterminou o sujeito. A proposta de reescrita da assertiva III altera o sentido original da mensagem. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 19 – diversos aspectos gramaticais e sintáticos No trecho Nesta nova cultura, que tem como substrato a busca da arrecadação suficiente para enfrentar as crescentes demandas sociais, ganhou espaço também a relação com o contribuinte (l. 24-25), o segmento Nesta nova cultura é adjunto adverbial. Correta a assertiva I. A oração que tem como substrato a busca da arrecadação suficiente para enfrentar as crescentes demandas sociais é subordinada adjetiva explicativa. Errada a assertiva II. A oração para enfrentar as crescentes demandas sociais é subordinada adverbial final (porque indica ideia de finalidade) reduzida de infinitivo, pois tem como núcleo verbal a forma enfrentar. Correta a assertiva III. Em ganhou espaço também a relação com o contribuinte, o verbo “ganhar” tem como sujeito a relação com o contribuinte e como objeto direto espaço. Errada a assertiva IV. RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ Questão 20 – semântica e interpretação de texto “Aceleradas mudanças na Receita Estadual do Rio Grande do Sul [...] ainda não estão plenamente consolidadas” (l. 01-02) não encontra pressuposição em “Todas as mudanças propostas já estão em pleno funcionamento”, porque, em primeiro lugar, o trecho original registra “aceleradas mudanças”, que não podem ser retomadas como “todas”, e, em segundo lugar, porque “ainda não estão plenamente consolidadas” é o contrário de “estão em pleno funcionamento”. Não há pressuposição nas ideias apresentadas na assertiva I. No segmento “órgão que existiu durante décadas apenas nos seus melhores sonhos” (l. 03-04) significa que durante décadas o órgão não existiu, portanto não se pressupõe que a Receita Estadual é um órgão existente no Rio Grande do sul há décadas. Não há pressuposição nas ideias apresentadas na assertiva II. O trecho compreendido entre as linhas 09 e 10 indica que “A Administração Tributária Setorial é uma das inovações adotadas pela Receita Estadual...”, o que não se identifica com a afirmação de que A Administração Tributária Setorial seja a única invenção e o único objetivo da Receita Estadual. Não há pressuposição nas ideias apresentadas na assertiva III. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 21 – semântica e alterações de frases Quanto à assertiva I, a supressão do segmento “no exterior”, destacado no trecho “... os conhecimentos técnicos e profissionais aperfeiçoados em estudos no exterior” (l. 05), causa alteração de sentido, pois não especifica a qualificação dos estudos. A sugestão contida na assertiva II, no sentido de inserir “muitos” logo após “números”, na sequência “sejam implementados e produzam números favoráveis ao caixa do Tesouro do Estado” (l. 07-08), alterará o adjetivo “favoráveis”. Observe-se: “sejam implementados e produzam números muito favoráveis ao caixa do Tesouro do Estado”. Quanto à assertiva III, no trecho “... torna a atuação” (l. 13), a substituição de “torna” por “enceta” alterará o sentido do texto, porque “tornar” significa “transformar” e “encetar” significa “iniciar”, “dar início”, “começar”. Com relação à assertiva IV, o deslocamento de “de informação” para imediatamente após “serviços e processos”, no trecho “o aperfeiçoamento dos sistemas de informação, serviços e processos” (l. 31), causará alteração, porque o segmento “de informação” está completando o sentido de “sistemas”; se for deslocado para logo depois de “serviços e processos”, complementará os termos “serviços e processos”. Observe-se: “o aperfeiçoamento dos sistemas, serviços e processos de informação”. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 22 – semântica e interpretação de texto A palavra “caixa”, destacado no no trecho “sejam implementados e produzam números favoráveis ao caixa do Tesouro do Estado” (l. 07-08), está sendo empregada de forma denotativa, isto é, em sentido real, como termo técnico de contabilidade. Errada a assertiva I. A alteração de “caixa” por “cofre”, destacada no trecho “sejam implementados e produzam números favoráveis ao caixa do Tesouro do Estado” (l. 07-08), não produz sinestesia, que é o cruzamento de sensações, ou associação de palavras ou expressões em que ocorre combinação de sensações diferentes numa só impressão. Errada a assertiva II. No segmento “um diálogo cortês e ágil” (l.28), há metáfora, ou seja, figura de linguagem que se traduz por comparação, não hipérbole, que encerra exagero. Errada a assertiva III. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ Questão 23 – formação de palavras O vocábulo “amadurecimento” (l. 03) é formado por derivação sufixal; já “aperfeiçoados” (l. 05) é formado por derivação parassintética. Errada a assertiva I. O vocábulo “favoráveis” (l. 07) é formado por derivação sufixal, em que “favor” recebe o sufixo “-(á)vel(is)”, formador de adjetivos. Correta a assertiva II. O advérbio “extremamente” (l. 10) é formado por derivação sufixal, em que o adjetivo “extremo” recebe o sufixo formador de advérbios “-mente”. Errada a assertiva III. Em “convergência” (l. 26), há derivação sufixal, porque o verbo “convergir” recebe o sufixo “-ência”. Correta a assertiva IV. QUESTÃO RECORRÍVEL A banca da FUNDATEC indicou, como gabarito preliminar para essa questão, a alternativa “B”, considerando como correta apenas a afirmação contida na assertiva IV. A rigor, está correta também a assertiva II, porque FAVORÁVEIS é adjetivo formado por derivação sufixal, em que o substantivo “FAVOR” recebe o sufixo “-(Á)VEL”, formador de adjetivos. Nas respostas oferecidas, não há alternativa que considere como corretas as assertivas II e IV, logo a questão carece de resposta correta, devendo ser anulada, como medida de justiça. _______________________________________________________________________ Questão 24 – vozes verbais Os verbos destacados nas assertivas I (“estar”) e III (“ser”) são de ligação. Os verbos de ligação não são transportáveis para a voz passiva, portanto as construções oferecidas nas assertivas I e III estão erradas. A passagem para a voz passiva da construção “a Administração Tributária Setorial parte das movimentações do mercado e acompanha o desenvolvimento das empresas” (l. 10-11), considerando-se o verbo destacado, deve ser “o desenvolvimento das empresas é acompanhado pela Administração Tributária Setorial que parte das movimentações do mercado”. Correta a assertiva II. RESPOSTA: B.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO DO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO – GHC PARA CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR – BANCA DA FUNDAÇÃO LA SALLE – CERTAME REALIZADO NO DIA 08 DE JUNHO DE 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO DO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO – GHC PARA CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR – BANCA DA FUNDAÇÃO LA SALLE – CERTAME REALIZADO NO DIA 08 DE JUNHO DE 2014 Questão 01 – Concordância verbal e ortografia A lacuna da linha 4 deve ser preenchida pela forma verbal “vêm”, na terceira pessoa do plural do presente do indicativo, em razão de o sujeito ser “os rins”. A lacuna da linha 9, por sua vez, deve ser completada pela preposição “trás”. Finalmente, a lacuna da linha 20 deve receber a forma verbal “têm”, na terceira pessoa do plural do presente do indicativo, em razão de o sujeito ser “Eles”. RESPOSTA: A. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 02 – Ortografia e emprego dos “porquês” Nas duas lacunas da linha 13, deve aparecer a forma “porque”, em razão de se tratar de explicação. Na linha 23, a palavra que deve aparecer é o adjetivo “mau”, porque está qualificando o substantivo “funcionamento”. Por fim, na linha 27, a grafia deve ser “porque” ou “pois”, já que introduz oração explicativa. Na combinação das respostas certas, vence a opção B. RESPOSTA: B. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 03 – Emprego de conjunções coordenativas No trecho “Todavia, em animais, já notamos que exercícios...” (l. 9), a conjunção (destacada na transcrição) pode ser substituída por “Porém”, “Entretanto”, “No entanto”, “Contudo” e “Entretanto”, porque se trata de conjunção coordenativa adversativa. Não pode ser substituída por “Pois”, porque se trata de conjunção coordenativa explicativa. RESPOSTA: E. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 04 – Valor semântico de conjunção No trecho “Se substituir a primeira expressão por ‘pulmão’, esse número sobe para 321...” (l. 2-3), a conjunção sublinhada é subordinativa adverbial condicional, equivalendo-se a sinônimos como “caso”. A ideia que indica é de condição. RESPOSTA: A. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 05 – Interpretação de texto No trecho “Todavia, em animais, já notamos que exercícios melhoram o processo de filtragem dos rins, relata Nestor Schor...”, observa-se que Nestor Schor afirma que a atividade, nos animais, melhora a função renal, não se podendo, portanto, afirmar que a função renal de pessoas ativas seja melhor do a função renal das pessoas sedentárias. Falsa a primeira afirmação. Quanto à afirmação de que hipertensão e diabete sejam doenças conhecidas por afetarem os rins, observa-se no trecho “Outra explicação recai na hipertensão e diabete, doenças conhecidas por lesar o par de órgãos” (l. 12) que está correta a interpretação, porque “o par de órgãos” se refere, obviamente, a rins. Verdadeira a segunda afirmação. A terceira afirmação fica sustentada como verdadeira em razão do trecho “Na Universidade Médica da China, o nefrologista I-Kuan Wang examinou dados de 7.863 diabéticos com doença renal crônica entre 1996 e 2008. Ao separar os que malhavam dos inativos, ele viu que o primeiro grupo possuía uma menor taxa de mortalidade” (l. 14-16). RESPOSTA: C. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 06 – Pontuação Estão erradas as opções “A” e “C” pelo registro de dois-pontos logo após “entre”, porque não se trata de sequência de elementos, nem decitação, muito menos de conclusão ou de aposto, mas de dois elementos relacionados pela preposição “entre”. Na opção “C”, ainda há outro erro de pontuação que consiste na vírgula antes do “e”, equivocada, porque não se trata de conjunção que esteja unindo orações de sujeitos diferentes. Está errada a pontuação constante no trecho da assertiva “D”, porque o nome “Henrique Novais Mansur” é aposto, devendo ficar isolado por vírgulas; está errada, também, em relação ao registro de dois-pontos depois de “constatou”, haja vista que não se trata de sequência de elementos, nem de citação, muito menos de conclusão ou de aposto, mas de verbo e seu objeto (“constatou” e “uma ligação...”). Está errada a pontuação constante na opção “E”, porque o nome “Henrique Novais Mansur” é aposto, devendo ficar isolado por vírgulas; está errada, também, em relação ao registro de vírgula depois de “pessoas”, pois o segmento “com doença renal crônica se trata de adjunto adnominal, inseparável de seu substantivo. RESPOSTA: B. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 07 – Acentuação gráfica As palavras “crônica” (CRÔ-NI-CA) e “hemodiálise” (HE-MO-DI-Á-LI-SE) são acentuadas pela regra das proparoxítonas. Correta a assertiva “A”. Errada a opção “B”, porque “saúde” é acentuada porque apresenta “u” tônico, precedido de vogal e formando sílaba sozinho, acentuada, portanto, pela regra do “I” e “U” (ou regra dos hiatos) e porque “tórax” é acentuada pela regra das paroxítonas terminadas em “x”. Errada, também, a alternativa “C”, pois “médicos” (MÉ-DI-COS) é acentuada por ser proparoxítona, enquanto “órgãos” é acentuada pela regra das paroxítonas terminadas em “ão ou aos”. A assertiva “D” fica automaticamente respondida porque apenas inverteu as palavras constantes na opção B. Na opção “E”, “hemodiálise” (HE-MO-DI-Á-LI-SE) é acentuada pela regra das proparoxítonas, enquanto “saúde” é acentuada porque apresenta “u” tônico, precedido de vogal e formando sílaba sozinho, acentuada, portanto, pela regra do “I” e “U” (ou regra dos hiatos). RESPOSTA: A. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 08 – Concordância e conjugação verbal No trecho “Ao buscar pelos termos ‘rim’ e ‘atividade física’ no Pubmed, site do governo americano que reúne estudos realizados no mundo todo, você encontrará 168 artigos publicados em 2013” (l. 1-2), a substituição de “você” por “nós” implicará alteração em mais duas palavras, a saber: “Ao buscarmos pelos termos ‘rim’ e ‘atividade física’ no Pubmed, site do governo americano que reúne estudos realizados no mundo todo, nós encontraremos 168 artigos publicados em 2013”. Observe-se que não se contabiliza “você”, porque o enunciado deixa clara a indagação de quantas “outras” palavras sofrerão alteração. RESPOSTA: B. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 09 – Semântica No trecho “Por se tratar de uma área ainda nebulosa, faltam evidências...” (l. 8), o adjetivo “nebulosa” (destacado na transcrição) significa difícil de entender, ou obscura, incompreensível, nevoenta, nevoeirenta. Portanto pode ser substituído por “obscura”. RESPOSTA: D. ____________________________________________________________________________________________________________ Questão 10 – Tempos e modos verbais No trecho “... você deveria correr para fazer o mesmo” (l. 30), o verbo “dever” (destacado na transcrição) está conjugado o futuro do pretérito o modo indicativo. No futuro do presente do indicativo, sua conjugação será eu deverei tu deverás ele(a)/você deverá nós deveremos vós devereis eles(as) deverão RESPOSTA: D. ____________________________________________________________________________________________________________ NÃO HÁ RECURSOS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial destes comentários, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 – Lei dos Direitos Autorais). WWW.cpcrs.com.br – professormenegotto.blogspot.com – menegotto@cpcrs.com.br