quarta-feira, 9 de abril de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DA PGE-RS, NÍVEL MÉDIO, EM CONCURSO REALIZADO NO DIA 6 DE ABRIL DE 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA AGENTE ADMINISTRATIVO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL – PGE-RS – BANCA DA FUNDATEC – Certame realizado no dia 6 de abril de 2014 QUESTÃO 01 – Crase QUESTÃO RECORRÍVEL Com relação à lacuna da linha 09, observe-se que, no trecho “disse Tal Speer, seu porta-voz, ______ BBC Brasil”, o verbo “dizer”, na forma da 3ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo (“disse”), exige preposição “a”. Já o nome BBC Brasil, sigla de “British Broadcasting Corporation”, ou, em Português, "Corporação Britânica de Radiodifusão”, é nome próprio e feminino. A indicação de artigo antes de nome próprio é opcional em Língua Portuguesa. A lacuna da linha 09, portanto, pode ser preenchida apenas pela preposição “a”, ou pela contração de preposição “a” com artigo “a” (“à”). Na lacuna da linha 13, deve aparecer apenas o artigo “a”, articulando a palavra feminina “liderança”, porque, no trecho “exortando ____ liderança política”, o verbo “exortar” é transitivo direto (quem exorta exorta alguma coisa ou alguém). Já na lacuna da linha 15, deve aparecer apenas a preposição “a”, no trecho “em meio ______ negociações”, porque a palavra “negociações está no plural, e não existe crase no “a” singular antes de palavra no plural. A banca ofereceu duas alternativas (C e E), sendo uma com sinal indicativo de crase para a primeira lacuna e outra apenas com a preposição. Logo a questão merece ser anulada, pois as duas respostas são válidas, pelas razões expostas nos comentários ao preenchimento da primeira lacuna. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 02 – Interpretação de texto No trecho “Bibi, sem um acordo não conseguiremos reduzir o custo de vida. Só você pode”, diz um dos cartazes...” (l. 05-06), o segmento “não conseguiremos” está na primeira pessoa do plural (“nós”), que significa todos os israelenses. Certa a assertiva I. O segmento “para nós”, no trecho “aproveitar a janela de oportunidades, que foi aberta para nós” (l.14), o pronome “nós” representa todos os israelenses. Certa a assertiva II. Com relação ao segmento “O BTI não é um grupo de esquerda, não é um movimento político, nossa mensagem é dirigida a todos os setores da sociedade” (l.22-23), o fragmento “nossa mensagem” é pronunciado por um integrante do BTI, portanto o pronome pessoal reto “nós”, subentendido no pronome possessivo “nossa”, não representa todos os israelenses. Errada a assertiva III. RESPOSTA: A. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 03 – Interpretação de texto A partir do trecho “Bibi, sem um acordo não conseguiremos reduzir o custo de vida. Só você pode”, diz um dos cartazes...” (l. 05-06) e de outros segmentos do texto, é possível observar que um acordo de paz com os palestinos seria benéfico para a economia de Israel. Correta a interpretação contida na opção A. Nos segmentos “De acordo com ele (Tal Speer), a campanha é inédita”, e “Esta é a primeira vez que grandes empresários israelenses se organizam e se manifestam publicamente para convencer a sociedade e o governo de que a paz é necessária para a prosperidade do país” (l.10-12), encontra-se subsídio para a afirmação de que a campanha é inédita porque é a primeira vez que empresários israelenses dizem publicamente que a paz pode trazer prosperidade. Correta a alternativa B. Entende-se do texto que a campanha do grupo denominado BTI se dirige às lideranças políticas (primeiro-ministro Binyamin Netanyahu e ao governo) e à opinião pública israelense e procura tirar proveito das negociações de paz sob mediação dos Estados Unidos, conforme se observa entre as linhas 12 a 17. Correta a alternativa C. É certa a ideia presente no texto de que a campanha defende posições que tradicionalmente são de esquerda, conforme se observa no trecho compreendido entre as linhas 20 a 22. Correta, também, a ideia de que grupos de extrema-direita vêm organizando manifestações contra a campanha, mas não pelo fato de que seja bandeira da esquerda. Isso não está no texto. Errada a opção D. Correta a ideia de que a campanha defende posições que tradicionalmente são de esquerda, conforme se observa no trecho compreendido entre as linhas 20 a 22. Certa também a interpretação de que as pesquisas de opinião indicam que a maioria dos israelenses apoia um acordo de paz, conforme se observa no trecho entre as linhas 23 e 25. Correta a interpretação contida na opção E. RESPOSTA: D. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 04 – Identificação de referentes No trecho “Um grupo formado por alguns dos maiores empresários de Israel lançou uma campanha pública em que defendem um tratado de paz com os palestinos. Eles sustentam que um acordo com os rivais históricos...” (l. 01-02), o pronome reto “Eles” (destacado no trecho transcrito) retoma “empresários de Israel”. Correta a assertiva A. Observando-se, novamente, o trecho acima transcrito, pode-se verificar que “os rivais históricos” (destacado) são os palestinos. Correta a alternativa B. Quanto ao segmento “A campanha é totalmente financiada pelos empresários” (l. 08), “(pel)os empresários” são os mesmos responsáveis pela campanha. Correta a alternativa C. No trecho “aproveitar a janela de oportunidades, que foi aberta para nós, para chegar a um acordo que ponha fim ao conflito: a campanha ocorre em meio a negociações de paz mediadas pelo secretário de Estado americano, John Kerry, que deverá apresentar nas próximas semanas um esboço do acordo para a avaliação dos líderes israelenses e palestinos” (l.14-17), a expressão “a janela de oportunidades” (grifada na transcrição) se refere às negociações de paz mediadas pelo secretário America John Kerry. Correta a alternativa D. Retomando-se o trecho “aproveitar a janela de oportunidades, que foi aberta para nós, para chegar a um acordo que ponha fim ao conflito: a campanha ocorre em meio a negociações de paz mediadas pelo secretário de Estado americano, John Kerry, que deverá apresentar nas próximas semanas um esboço do acordo para a avaliação dos líderes israelenses e palestinos” (l.14-17) e sua continuação “A aproximação desse momento...” (l. 17), a expressão (d)esse momento (grifada na transcrição) se refere à apresentação de um esboço do acordo para avaliação dos líderes israelenses e palestinos, e não ao início das negociações mediadas por John Kerry. Errada a alternativa E. RESPOSTA: E. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 05 – Alteração de ordem com alteração de sentido Quanto à assertiva I, no trecho “Eles sustentam que um acordo com os rivais históricos seria vantajoso economicamente para os dois lados envolvidos no conflito” (l.02-03), o deslocamento do advérbio “economicamente” (destacado na transcrição) para imediatamente após “envolvidos” causaria alteração de sentido, porque, no trecho original, o advérbio está modificando o sentido do adjetivo “vantajoso”, e depois de “envolvidos” passaria a modificar o sentido desse termo. Observe-se: “Eles sustentam que um acordo com os rivais históricos seria vantajoso para os dois lados envolvidos economicamente no conflito”. Tal sugestão altera o sentido original do texto. Quanto à assertiva II, no trecho “... publicou anúncios de páginas inteiras nos principais jornais israelenses e também colocou cartazes em locais estratégicos das maiores cidades do país” (l. 04-05), o advérbio “também” (destacado na transcrição) está unindo duas ações, representadas pelos verbos “publicou” e “colocou”, modificando o sentido do segundo verbo, notadamente. O deslocamento de “também” para imediatamente antes de “das maiores cidades do país” provocaria alteração de sentido, porque não continuaria modificando o sentido do verbo “colocou”, sendo possível entender que colocou cartazes em outros locais e “também (nos locais estratégicos) das maiores cidades do país. Observe-se: “... publicou anúncios de páginas inteiras nos principais jornais israelenses e colocou cartazes em locais estratégicos também das maiores cidades do país”. Tal sugestão altera o sentido original do texto. Em relação à assertiva III, quanto ao trecho “que deverá apresentar nas próximas semanas um esboço...” (l. 16), a alteração do adjunto adverbial “nas próximas semanas” (destacado na transcrição) para imediatamente antes de “deverá” não alterará o sentido original da mensagem. Observe-se: “que nas próximas semanas deverá apresentar um esboço...”. Tal sugestão não altera o sentido original do texto. RESPOSTA: B. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 06 – Semântica e verbos QUESTÃO RECORRÍVEL No trecho “Eles sustentam que um acordo com os rivais históricos seria vantajoso economicamente para os dois lados envolvidos no conflito” (l.02-03), o verbo destacado está conjugado no futuro do pretérito do indicativo. Conservando o sentido, poderia ser substituído pela locução verbal “poderia ser”, cujo verbo auxiliar (“poderia”) está também no futuro do pretérito do indicativo. Observe-se que “seria” não pode ser substituído por “será”, porque esta forma está no futuro do presente do indicativo, o que produziria alteração no sentido da mensagem. Quanto ao verbo destacado no segmento “aproveitar a janela de oportunidades, que foi aberta para nós, para chegar a um acordo que ponha fim ao conflito: a campanha ocorre...” (l. 14-15), é importante observar que está conjugado no presente do subjuntivo, o que enseja sua substituição por “consiga pôr”, cuja locução verbal apresenta o verbo auxiliar também no presente do subjuntivo. Observe-se que “ponha” não pode ser substituído por “porá”, porque esta forma está no futuro do presente do indicativo, o que produziria alteração no sentido da mensagem. Já a forma verbal destacada no segmento “que deverá apresentar nas próximas semanas um esboço...” (l. 16) está conjugada no futuro do presente do indicativo, sendo verbo auxiliar na locução verbal “deverá apresentar”. A substituição mais adequada é pelo verbo “ir”, na forma do presente do indicativo “vai”, que, somada à forma “apresentar”, gerará ideia de futuro: “vai apresentar”. Observe-se que “deverá” não pode ser substituído por “comprometeu-se a”, porque esta forma verbal alteraria a mensagem, haja vista a inexistência, no texto, da ideia de que John Kerry tenha se comprometido com algo. A ideia presente no texto é a que realmente “deverá apresentar”, equivalente a “vai apresentar”. A banca ofereceu como correta a alternativa A, mas, conforme se explicou, a forma “comprometeu-se” não é cabível, pois não há, no texto, ideia que sustente o comprometimento de John Kerry. Questão passível de recurso e de anulação, por falta de resposta adequada à proposta. ____________________________________________________________________________ QUESTÃO 07 – Pontuação No segmento “a campanha ocorre em meio a negociações de paz mediadas pelo secretário de Estado americano, John Kerry, que deverá apresentar nas próximas semanas um esboço do acordo para a avaliação dos líderes israelenses e palestinos” (l.15-17), as vírgulas antes e depois de “John Kerry” isolam aposto, não podendo ser eliminadas. A supressão das vírgulas, além de provocar erro gramatical, alteraria o sentido do texto, porque transformaria “John Kerry” num dos secretários de Estado americanos, quando, em verdade, com as vírgulas, que têm função explicativa, “John Kerry” é o único secretário de Estado americano. Errada a assertiva I. No trecho “A proposta dos empresários israelenses também causou surpresa porque, tradicionalmente, a defesa de um acordo de paz – e da retirada de colonos judeus de territórios palestinos – é uma bandeira...” (l. 20-21), os travessões estão registrados por questão de destaque, podendo, portanto, ser suprimidos, sem causar alteração de sentido ou erro gramatical. Correta a assertiva II. Quanto ao segmento “O BTI não é um grupo de esquerda, não é um movimento político, nossa mensagem é dirigida a todos os setores da sociedade” (l. 22-23), trata-se de período composto por coordenação contendo três orações coordenadas sem o uso de nexo. Por isso as vírgulas podem ser substituídas por ponto-e-vírgula sem causar alteração de sentido ou prejuízo gramatical ao trecho. Observe-se o período já com as modificações sugeridas: “O BTI não é um grupo de esquerda; não é um movimento político; nossa mensagem é dirigida a todos os setores da sociedade”. Correta a assertiva III. RESPOSTA: D. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 08 – Flexão de palavras compostas O composto “porta-voz” é constituído por verbo (“porta”, de “portar”) e substantivo. Todo composto formado por verbo e substantivo só apresentará flexão no segundo termo, portanto o correto é “porta-vozes”. Já em “abaixo-assinado”, o composto é formado por palavra invariável (“abaixo”, que é advérbio) e adjetivo (“assinado”). Todo composto formado por palavra invariável e adjetivo só apresentará flexão no segundo termo, portanto o correto é “abaixo-assinados”. Na palavra “extrema-direita”, o primeiro termo é adjetivo; já a palavra “direita” está sendo empregada como substantivo, portanto a flexão deve ser feita nos dois termos: “extremas-direitas”, como “curtos-circuitos”, “novos-ricos”. RESPOSTA: B. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 09 – Reescritura e equivalência de trechos No segmento “Um grupo formado por alguns dos maiores empresários de Israel lançou uma campanha pública em que defendem um tratado de paz com os palestinos” (l. 01-02), a substituição de “defendem” (destacado na transcrição) por “argumentam a favor de” manteria a correção gramatical do contexto. Observe-se o trecho já com a modificação: “Um grupo formado por alguns dos maiores empresários de Israel lançou uma campanha pública em que argumentam a favor de um tratado de paz com os palestinos”. Correta a sugestão de reescrita da assertiva I. Quanto ao trecho “A campanha é totalmente financiada pelos empresários, que são responsáveis por uma grande parcela do PIB de Israel” (l. 08-09), a substituição do segmento “são responsáveis por” (destacado na transcrição) por “se atribui a responsabilidade por” exigiria outras alterações no período. Observe-se: “A campanha é totalmente financiada pelos empresários, a quem se atribui a responsabilidade por uma grande parcela do PIB de Israel”. Portanto a reescritura exigirá outras alterações no período, a saber: deve aparecer preposição “a”, regida por “atribui” (quem atribui atribui algo “a” alguém”), além da troca de “que” por “quem”, porque se trata de seres humanos. assertiva II. Errada a assertiva II. No que diz respeito à terceira sugestão de reescritura, no trecho “que deverá apresentar nas próximas semanas um esboço...” (l. 16), o segmento “deverá apresentar” (destacado na transcrição) pode ser substituído por “se espera”, desde que se substitua o “que” por “de quem”. Observe-se o trecho já modificado: “de quem se espera nas próximas semanas um esboço...”. Correta a sugestão de reescritura da assertiva III. RESPOSTA: E. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 10 – Emprego de aspas No trecho “O grupo, denominado BTI, sigla de Breaking the Impasse (“Rompendo o Impasse”)...”, a utilização de aspas na expressão entre parênteses ocorre em razão da tradução da expressão inglesa. As aspas, portanto, não estão empregadas como expressão de ênfase. Errada a assertiva I. No trecho “Bibi, sem um acordo não conseguiremos reduzir o custo de vida. Só você pode” (l. 05-06), as aspas estão destacando citação. As aspas, portanto, não estão empregadas como expressão de ênfase. Errada a assertiva II. Quanto ao segmento “De acordo com ele, a campanha é inédita” (l. 09-10), as aspas em “inédita” estão sendo empregadas para emprestar ênfase à expressão. Correta a assertiva III. RESPOSTA: C. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 11 – Ortografia, “porquês” e emprego do verbo “haver” Na lacuna da linha 09, deve aparecer “habitar”. Na lacuna da linha 22, deve aparecer a grafia “por quê”, pois se trata de final de frase, em que se deve utilizar a palavra separada e acentuada. Na lacuna da linha 23, deve aparecer o verbo “haver”, na forma do presente do indicativo: “há”, no singular, porque se trata de verbo impessoal. Observe-se a equivalência semântica com o verbo “existir” (desde que existem jornais). RESPOSTA: D. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 12 – Semântica e interpretação de texto No trecho “Vestia-se com sobriedade: usava uma cueca preta e calçava medonhos tamancos barulhentos” (l. 02-03), o substantivo “sobriedade” (destacado na transcrição) significa moderação, temperança, equilíbrio, seriedade, discrição. Observe-se que, em relação exclusiva ao termo “sobriedade”, pode-se substituí-lo por “discrição”, mas, em relação ao restante do período, seria incongruente utilizar “discrição” em razão dos “medonhos tamancos barulhentos”. No caso, então, a palavra mais adequada para substituir “sobriedade” seria “austeridade” O advérbio “economicamente”, destacado no trecho “Fora isso, o que tinha em cima do corpo era a barba, desenvolvida economicamente, uma barba enorme” (l. 03-04), pode ser substituído por “por economia”, por se tratar de modo. A palavra “bocado”, que vem de porção que cabe na boca, pode ser substituída por “um pouquinho”, mas, no texto, não é essa a ideia a ser passada. No trecho “... um bocado de alemão...” equivale a “um tanto”. RESPOSTA: A. ____________________________________________________________________________ QUESTÃO 13 – Interpretação de texto Observe-se o trecho compreendido entre as linhas 04 a 06: “Parecia um troglodita. O homem alimentava-se mal, espichava-se na cama, roncava o dia inteiro; passava as noites acordado, passeando agitado, fazendo o assoalho ranger, o que provocava a indignação dos outros pensionistas...”. Aí estão, portanto, alguns subsídios que sustentam que Amadeu Amaral Júnior tinha “costumes singulares”, que incluíam uma rotina diária diferente das pessoas comuns. Correta a interpretação contida na opção A. Reportando-se, novamente, ao trecho “Parecia um troglodita. O homem alimentava-se mal, espichava-se na cama, roncava o dia inteiro; passava as noites acordado, passeando agitado, fazendo o assoalho ranger, o que provocava a indignação dos outros pensionistas” (l. 04-06), é possível verificar que, entre os “costumes singulares” de Amadeu Amaral Júnior que provocava a indignação dos hóspedes da pensão, estava o de fazer o assoalho ranger com suas passadas agitadas, e não o fato de alimentar-se mal e dormir o dia inteiro. Errada a interpretação contida na alternativa B. Nos trechos “Leu um tratado de psicologia e trocou-o em miúdos, isto é, reduziu-o a artigos, uns quarenta, que projetou meter em revistas e jornais...” (l. 07-08) e “Escrevo poesias, crônicas, contos (policiais, psicológicos, de aventura, de mistério), novelas, discursos, conferências...” (l. 15-17), encontra-se sustentação para afirmar que Amadeu Amaral Júnior tentava ganhar a vida por vários meios, entre os quais se oferecendo para redigir discursos e conferências. Correta a compreensão contida na alternativa C. O anúncio encontrado pelo autor num semanário trazia o seguinte texto: “Intelectual desempregado. Amadeu Amaral Júnior, em estado de desemprego, aceita esmolas, donativos, roupa velha, pão dormido” (l. 11-12) e, depois, numa declaração do próprio Amadeu Amaral Júnior, em que se lê “Minha situação continua preta. Reitero o apelo às almas bem formadas: deem de comer a quem tem fome, fome atávica...” (l. 14-15). Os dois trechos sustentam a afirmação de que Amadeu Amaral Júnior, pelo menos duas vezes, implorou publicamente por comida e emprego. Correta a interpretação contida na opção D. No trecho “E agora, completamente solidário com ele, admiro a exposição que nos faz das suas aptidões e lamento que não as utilizem. Muita gente se espanta com seu procedimento” (l. 21-22), há sustentação para a afirmação de que os anúncios de Amadeu Amaral Júnior espantaram muitas pessoas, pois não é comum escritores e jornalistas vender seus serviços como produtos. Correta a alternativa E. RESPOSTA: B. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 14 – Interpretação de texto e semântica No trecho “Vestia-se com sobriedade: usava uma cueca preta e calçava medonhos tamancos barulhentos” (l. 02-03), o caráter cômico está em “medonhos tamancos barulhentos”, especialmente em “medonhos”. O trecho da opção A possui, portanto, elemento de comicidade. O segmento “o que tinha em cima do corpo era a barba, desenvolvida economicamente, uma barba enorme” (l. 03-04) apresenta traço de gracejo ou ironia em “economicamente”. O trecho da opção B possui, portanto, elemento de comicidade. Em “mudamo-nos, separamo-nos, perdemo-nos de vista” (l. 10) foi escrito de modo literal, sem conotação ou traço de gracejo ou ironia. O trecho da opção C não possui, portanto, elemento de comicidade. No trecho “Deem-me trabalho pelo amor de Deus ou do diabo” (l. 17-18), a graça está em “por amor de Deus ou do diabo”. O trecho da opção D possui, portanto, elemento de comicidade. Em “O anúncio, pois não. E em duros casos, a propaganda oral, numa esquina, aos gritos. Exatamente como quem vende pomada para calos” (l. 26-27), a comparação do anúncio com quem vende pomada para calos, oralmente, numa esquina, contém traço de gracejo. O trecho da opção E possui, portanto, elemento de comicidade. RESPOSTA: C. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 15 – Identificação de funções sintáticas (sujeito) QUESTÃO RECORRÍVEL No trecho “E agora, completamente solidário com ele, admiro a exposição que nos faz das suas aptidões e lamento que não as utilizem” (l. 21-22), a forma verbal “faz” (destacada na transcrição) tem como sujeito Amadeu Amaral Júnior, pois ele é quem (nos) faz a exposição das suas aptidões e lamentos. Correta a assertiva I. No mesmo trecho “E agora, completamente solidário com ele, admiro a exposição que nos faz das suas aptidões e lamento que não as utilizem” (l. 21-22), o sujeito de “utilizem” (destacado na transcrição) é indeterminado, pois está na terceira pessoa do plural e não há como relacioná-lo às pessoas. Errada a assertiva II. Quanto ao segmento “Os fabricantes anunciam seus produtos, e os sujeitos desempregados costumam, desde que há jornais, dizer neles para que servem” (l. 23-24), o verbo “servir”, em “servem” (destacado na transcrição), tem como sujeito “os sujeitos desempregados”, porque eles é que dizem nos jornais para que servem. Errada a assertiva III. A banca indicou como gabarito a resposta D, em que figuram como corretas as assertivas I e II. Ocorre que, conforme se pode verificar na explicação à afirmação II, o sujeito de “utilizem” é indeterminado, não se podendo associar às pessoas, porque não há, no texto, essa referência. Questão passível de troca de gabarito, de D por A. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 16 – Conjunções No trecho “Quando ficava cansado, sentava-se a uma grande mesa ao fundo da sala e escrevia o resto da noite” (l. 06-07), o nexo “quando” (destacado na transcrição) poderia ser substituído por “se”, embora passasse a determinar ideia de condição à ação de ficar cansado. Quanto ao segmento “Creio que os artigos de psicologia não foram publicados, pois há algum tempo li este anúncio...” (l. 10-11), o nexo “pois” (destacado na transcrição) pode ser substituído por “porque”, mantendo-se a ideia de explicação. No trecho “... fiquei meio escandalizado; mas, refletindo, concluí que o meu velho companheiro procedia com acerto” (l. 20-21), o nexo “mas” (destacado na transcrição), que é coordenativo adversativo, indicando ideia de oposição, pode ser substituído adequadamente por “porém”. RESPOSTA: C. ___________________________________________________________________________ QUESTÃO 17 – Concordância Pluralizando-se “O homem” (l. 04), destacado no trecho “O homem alimentava-se mal, espichava-se na cama, roncava o dia inteiro; passava as noites acordado, passeando agitado, fazendo o assoalho ranger, o que provocava a indignação dos outros pensionistas” (l. 04-06), obtêm-se as seguintes alterações: Os homens alimentavam-se mal, espichavam-se na cama, roncavam o dia inteiro; passavam as noites acordados, passeando agitados, fazendo o assoalho ranger, o que provocava a indignação dos outros pensionistas”. Portanto teriam de ser flexionadas para o plural em razão da concordância sintática outras 6 (seis) palavras. RESPOSTA: B. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 18 – Conjunções A assertiva I sugere a inserção de “Por isso” seguido de vírgula antes de “O homem” (l. 04). Observe-se o trecho integralmente já com a inserção do nexo: “Parecia um troglodita. Por isso, o homem alimentava-se mal, espichava-se na cama, roncava o dia inteiro; passava as noites acordado...”. É possível verificar que a inserção de “Por isso” seguido de vírgula, antes do período iniciado por “O homem...” (l. 04) não é viável, pois “Por isso” é nexo conclusivo e, ao ser inserido, transforma o período anterior na afirmação inicial e o segundo numa oração conclusiva. Não há coerência no resultado da inserção, porque a frase iniciada por “O homem” não é conclusão da afirmação “Parecia um troglodita”. Errada a assertiva I. A assertiva II sugere a inserção de “Por isso” seguido de vírgula antes de “Reitero”, na linha 14. Observe-se que, entre a construção “Minha situação continua preta” e “reitero o apelo às almas bem formadas: deem de comer...” (l. 14), há notória ideia de conclusão, portanto a inserção de “Por isso” seguido de vírgula antes do segundo trecho explicitaria a conclusão. Observe-se: “Minha situação continua preta. Por isso, reitero o apelo às almas bem formadas: deem de comer...”. Correta a assertiva II. A assertiva III sugere a inserção de “Mas” antes de “Não sei por quê.” Observe-se que, entre as construções “Muita gente se espanta com seu procedimento” e “Não sei por quê”, há ideia de oposição, que pode ser explicitada pela inserção de “Mas”. Observe-se a construção com a inserção sugerida: “Muita gente se espanta com seu procedimento. Mas não sei por quê”. Correta a assertiva III. RESPOSTA: E. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 19 – Estrutura e formação de palavras O vocábulo “barulhentos” (l. 03) é adjetivo derivado do substantivo “barulho”. A palavra “indignação” (l. 06) é substantivo derivado de adjetivo “indigno”. Já “barbeiro” (l. 09), no texto empregado como substantivo, é derivado de “barba”, também substantivo. O adjetivo “brasileiro” (l. 19) é derivado de “Brasil”, que é substantivo. O termo “fabricantes”, empregado no texto como substantivo, é derivado do verbo “fabricar”. RESPOSTA: C. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 20 – Acentuação gráfica Na assertiva I, as palavras “hóspedes”, “atávica” e crônicas” são acentuadas por serem proparoxítonas, porque possuem pronúncia forte na antepenúltima sílaba. Observe-se: hós-pe-des, a-tá-vi-ca, crô-ni-cas. Portanto as três palavras da assertiva I são acentuadas em virtude da mesma regra ortográfica. As palavras “anúncio”, “milenária” e “decência” são acentuadas por serem paroxítonas terminadas em ditongo crescente. Observe-se: a-nún-cio, mi-le-ná-ria, de-cên-cia. Portanto as três palavras da assertiva II são acentuadas em virtude da mesma regra ortográfica. A forma verbal “é” é acentuada pela regra das monossílabas tônicas; a contração de preposição “a” com artigo “a” em “às” não é acentuada, porque crase é sinal indicativo de contração, não acento indicador de tonicidade; já a palavra “inglês” é acentuada pela regra das oxítonas. Portanto duas das três palavras da assertiva III são acentuadas em virtude de diferentes regras ortográficas, e o caso da crase não é acento de tonicidade. RESPOSTA: D. ____________________________________________________________________________ QUESTÃO 21 – Concordância verbal e nominal Na lacuna da linha 11, deve aparecer “se implantara”. A colocação pronominal deve ser proclítica, porque o pronome “se” sofre atração do pronome relativo “onde”. A flexão do verbo no singular se deve ao fato de o sujeito ser “um sistema formal de segregação racista”. Observe-se: quem é que se implantara? Resposta: um sistema de segregação racista. Quanto à lacuna da linha 13, deve aparecer “se encontravam”. A colocação pronominal deve ser proclítica, porque o pronome “se” sofre atração do pronome relativo “onde”, de igual forma que no preenchimento da lacuna da linha 11. Já o verbo deve aparecer flexionado no plural, porque o sujeito é “práticas racistas informais”. Observe-se: quem é que se encontrava? Resposta: práticas racistas informais. Na terceira lacuna, linha 21, deve aparecer “seguidos”, no masculino plural, porque tem como referente “episódios”. RESPOSTA: E. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 22 – Interpretação de texto (identificação de referentes) No trecho “Há 50 anos, a Marcha de Washington causava profunda apreensão...” (l. 01), o segmento “Marcha de Washington” não é retomado pela expressão “O movimento”, no trecho “O movimento crescera, e o temor da presidência...” (l. 05-06). A expressão “O movimento” se refere ao apoio ao projeto de lei em que se bania a discriminação racial. Errada a assertiva I. No segmento “O movimento crescera, e o temor da presidência, então em mãos dos Democratas, era que a escalada da violência atingisse um ponto incontrolável, o que seria prejudicial para o futuro político do partido e para a aclamada ...” (l. 05-07), a expressão “(d)o partido retoma o Partido Democrata, que, embora não esteja expresso no texto, pode ser entendido a partir da expressão “(dos) Democratas”. Correta a assertiva II. No trecho “Afinal, desde 1954, quando a Suprema Corte julgara inconstitucional a segregação racista nas escolas, o movimento dos direito civis lutava para assegurar o cumprimento da medida, além de pressionar...” (l. 18-19), o segmento “(d)a medida” retoma o julgamento de inconstitucionalidade da segregação racista nas escolas, não a segregação racista nas escolas. Errada a assertiva III. RESPOSTA: B. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 23 – Interpretação de texto O governo norte-americano do presidente John F. Kennedy não era a favor da discriminação racial e locais públicos, na educação e no emprego, tanto que o projeto de lei em que se bania a discriminação em locais públicos foi encaminhado ao Congresso pelo próprio Kennedy. Observe-se o trecho compreendido entre as linhas 02 e 04. Errada a alternativa A. O governo americano temia que as manifestações pelos direitos civis atingisse um ponto incontrolável, não que pudesse elevar a tensão da Guerra Fria. Observe-se o trecho compreendido entre as linhas 05 a 07. Errada a opção B. O movimento dos direitos civis teve início muito antes de 1963, conforme se pode observar no trecho entre as linhas 18 e 20. Errada a alternativa C. Nos trechos das linhas 11 a 14, pode-se observar que também havia discriminação racial nos estados do Norte americano. Correta a assertiva D. Segundo o texto, Kennedy tentou convencer os líderes do movimento pelos direitos civis a cancelar a Marcha, mas não conseguiu, porque Martin Luther King já havia obtido o reconhecimento, por parte das bases e das lideranças do movimento, de que já não se podia esperar mais, conforme se pode observar do trecho compreendido entre as linhas 14 a 17. Portanto a Marcha não foi cancelada por causa da prisão de Martin Luther King. Errada a assertiva E. RESPOSTA: D. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 24 – Interpretação de texto O primeiro parágrafo retrata as razões da apreensão do governo americano, o que se pode observar pelo segmento compreendido entre as linhas 04 e 08. O segundo parágrafo, pelo que se pode observar da leitura especialmente do trecho compreendido entre 14 a 17, retrata o crescimento das manifestações antirracistas. Já o terceiro parágrafo do texto se ocupa, principalmente, com a descrição do clímax das manifestações antirracistas, o que se pode ver, especialmente, no trecho compreendido entre as linhas 20 e 25. RESPOSTA: C. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 25 – Semântica No trecho “O evento, promovido pelo movimento dos direitos civis, pretendia dar apoio a um projeto de lei em que se bania a discriminação...” (l. 02-03), o termo “bania” (destacado na transcrição) pode ser substituído por “proibia”. O adjetivo “aclamada”, destacado no trecho “... o que seria prejudicial para o futuro do partido e para a aclamada democracia norte-americana...” (l. 07-08), pode ser substituído por “elogiada”. Já o termo “formal”, destacado no trecho “... um sistema formal de segregação racista...” (l. 11-12), pode ser substituído por “oficial”. RESPOSTA: E. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 26 – Interpretação de texto Conforme se depreende da leitura do 1º parágrafo, em especial entre as linhas 02 e 04, o governo americano, mesmo que não desejasse a realização da Marcha de Washington, por questões de segurança, era sensível às demandas do movimento pelos direitos civis, tanto que um projeto de lei que bania a discriminação racial em locais públicos, na educação e no emprego, foi encaminhado pelo próprio presidente Kennedy ao Congresso americano. Correta a assertiva I. Não há, no texto, subsídios para que se sustente a afirmação de que o sistema de segregação racial estabelecidos nos estados do Sul foi efetivamente reconhecido pela Suprema Corte americana. Errada a assertiva II. O discurso de Martin Luther King na Marcha de Washington teve grande impacto nacional, mas, segundo o texto, não foi ele quem havia convencido as lideranças e as bases do movimento dos direitos civis de que causa não podia esperar mais. Martin Luther King havia, segundo o texto, em especial nas linhas 15 a 17, obtido o reconhecimento de que não se podia esperar mais para a realização da Marcha. Errada a assertiva III. RESPOSTA: A. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 27 – Reescritura e equivalência O trecho “(...) o temor da presidência (...) era que a escalada da violência atingisse um ponto incontrolável, o que seria prejudicial para o futuro político do partido e para a aclamada democracia norte-americana (...) (l. 06-08) foi reescrito três vezes com propostas diferentes. Na assertiva I, há equivalência de sentido com a redação original, porque “atingisse” manteve o sentido na forma verbal “pudesse atingir”; o emprego do pronome demonstrativo “isso” na redação nova equivale a “o que” no original; e, finalmente, o “e” utilizado na redação original para adicionar dois elementos foi substituído por “não apenas ... ... mas também”, que mantém a ideia de adição. Quanto à assertiva II, também há equivalência com o trecho original, porque “atingisse”, no trecho do texto, tem igual sentido a “viesse a atingir”, na redação nova; num segundo momento, o “e” utilizado na redação original para adicionar dois elementos foi substituído por “tanto para... quanto para”, que mantém a ideia de adição. A assertiva III, porém, apresenta proposta que não conserva o sentido original da mensagem, porque “atingisse” não se equivale a “tivesse atingido”, com ideia de passado, quando, no texto base, a ideia é de temor futuro. Além disso, deveria ser registrada vírgula antes de “mas” nesta nova redação. RESPOSTA: C. ________________________________________________________________________ QUESTÃO 28 – Colocação pronominal Na construção “em que se bania” (l. 03), o “que” atrai para si o pronome oblíquo átono “se”, não sendo correta a construção “em que bania-se”. Errada a proposta da assertiva I. Em “chegou a se reunir” (l. 14), a colocação pronominal em próclise a “reunir” pode, também, ser construída em ênclise ao mesmo verbo: “chegou a reunir-se”. Correta a proposta da assertiva II. Na construção “já não se podia mais esperar” (l. 17), há elemento de atração no advérbio de negação “não”, o que faz o pronome oblíquo átono “se” aparecer em próclise. Não é correta a construção “Já não podia mais esperar”. Errada a proposta da assertiva III. RESPOSTA: B. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 29 – Pontuação A vírgula que segue “no emprego”, (destacada na transcrição) no trecho “... pretendia dar apoio a um projeto de lei em que se bania a discriminação em locais públicos, na educação e no emprego, encaminhado ao Congresso...” (l. 02-03), não pode ser eliminada, porque é a segunda vírgula do isolamento do adjunto adverbial deslocado “na educação e no emprego”. Ou se retiram as duas vírgulas, ou nenhuma. Errada a proposta contida na opção A. No trecho “O ano de 1963, que mal chegava à sua primeira metade, havia sido especialmente quente...” (l. 09), a oração “que mal chegava à sua primeira metade” é subordinada adjetiva explicativa, cujas vírgulas que a isolam não podem ser suprimidas. Errada a proposta da alternativa B. No segmento “A princípio restrita aos estados sulistas, onde se implantara desde o final do século 19 um sistema formal de segregação racista em escolas, transportes e locais públicos em geral, as manifestações começavam a ganhar as cidades do norte...” (l. 11-13), a oração “onde se implantara desde o final do século 19 um sistema formal de segregação racista em escolas, transportes e locais públicos em geral” é subordinada adjetiva explicativa, cujas vírgulas que a isolam não podem ser suprimidas. Errada a proposta da alternativa C. No trecho “Diante do crescimento das manifestações, Kennedy chegou a se reunir com líderes do movimento dos direitos civis para pedir o cancelamento da marcha. Mas Martin Luther King, Jr., ministro de uma igreja batista de Atlanta, já havia obtido o reconhecimento, por parte das bases e lideranças do movimento, de que já não se podia mais esperar” (l. 14-17), a substituição do ponto final que segue “cancelamento da marcha” por vírgula, com a devida alteração de maiúscula por minúscula, é correta e não altera o sentido original dos trechos, porque a oração iniciada por “Mas” é coordenada sindética adversativa, podendo compor, com o período anterior, um só período composto. Observe-se: “Diante do crescimento das manifestações, Kennedy chegou a se reunir com líderes do movimento dos direitos civis para pedir o cancelamento da marcha, mas Martin Luther King, Jr., ministro de uma igreja batista de Atlanta, já havia obtido o reconhecimento, por parte das bases e lideranças do movimento, de que já não se podia mais esperar”. Correta a proposta contida na opção D. No trecho “As fotos que circulavam na mídia contribuíram para firmar uma imagem vergonhosa da democracia norte-americana: policiais com cassetetes instigavam cães contra os manifestantes negros, enquanto a Ku Klux Klan lançava bombas nas casas de líderes do movimento e cometia outras atrocidades contra pessoas negras” (l. 22-25), os dois-pontos introduzem uma explicação à “imagem vergonhosa da democracia norte-americana”, não podendo, portanto, ser substituídos por ponto-e-vírgula, pois a sequência não permaneceria com caráter explicativo, alterando o sentido original da mensagem. Errada a proposta contida na opção E. RESPOSTA: D. _________________________________________________________________________ QUESTÃO 30 – Vozes verbais QUESTÃO RECORRÍVEL A forma “em que se bania” pode ir para a passiva analítica, caso em que apresentará a construção “em que era banida”. O verbo “banir” é transitivo direto, portanto tem passiva. A própria estrutura em que se encontra está na passiva sintética. A construção presente na assertiva I pode ser convertida, portanto, em passiva analítica. A estrutura “projetava-se” pode ir para a passiva analítica na forma “era projetada”. O verbo “projetar” é transitivo direto, portanto tem passiva. A própria estrutura em que se encontra está na passiva sintética. Observe-se: “Mas o sonho de convivência integrada entre negros e brancos projetava-se (...) como pesadelo para o governo” (l. 04-05), cuja construção, na voz passiva analítica, terá a seguinte forma: “Mas o sonho de convivência integrada entre negros e brancos era projetado (...) como pesadelo para o governo” A construção presente na assertiva II pode ser convertida, portanto, em passiva analítica. O verbo “reunir”, acompanhado pelo “se”, exige preposição “com”, como está presente no texto: “... a se reunir com líderes...”. Portanto, trata-se de verbo transitivo indireto e, como tal, não pode ir para a passiva. A construção presente na assertiva III não pode ser convertida, portanto, em passiva analítica. A banca indicou como correta a alternativa A, ignorando que a cosntrução em que se encontra “projetava-se” pode ir para a passiva analítica, conforme se pode observar pelas explicações em relação à assertiva II. Questão recorrível e passível de troca de gabarito de A para D. ______________________________________________________________________________ HÁ RECURSOS CONTRA AS QUESTÕES 1, 6, 15 e 30. VEJA ARGUMENTAÇÕES NOS COMENTÁRIOS ESPECÍFICOS DE CADA QUESTÃO RECORRÍVEL. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial deste material, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 – Lei dos Direitos Autorais). Publicado no saite do CPC (WWW.cpcrs.com.br) e no blog professormenegotto.blogspot.com.br. Cópias disponíveis na Loja Copystar, na sede do CPCRS

terça-feira, 8 de abril de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE PORTUGUÊS DA BRIGADA MILITAR - CONCURSO REALIZADO NO DIA 6 DE ABRIL DE 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE BOMBEIRO E POLÍCIA OSTENSIVA DA BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SUL – Certame elaborado pela banca EXATUS – Prova ocorrida dia 6 de abril de 2014 QUESTÃO 1 – Concordância verbal Na lacuna do trecho “Pessoas deram a vida combatendo a concepção de que o rei tudo podia porque tinha poderes divinos e aos outros ____________________”, (5º parágrafo) deve aparecer “cabia obedecer”. O verbo “caber” deve ficar no pretérito perfeito do indicativo em razão do paralelismo com os verbos “poder” e “ter”, nas formas “podia” e “tinha”, ambos no pretérito perfeito do indicativo. Deve ficar no singular, na forma “cabia”, pois seu sujeito é “obedecer”. Observe-se: “obedecer cabia aos outros”. Quanto às lacunas do trecho “Eles se achavam no direito de _________ e até _________ os escravos que fugissem” (8º parágrafo), devem ser preenchidas pelas formas verbais “bater” e “matar”, no infinitivo impessoal, porque são complementos do segmento “direito de”, não tendo mais como referente sujeito o pronome “Eles”. No trecho “Até há pouco tempo, _________ abertamente o direito do marido bater na mulher e até matá-la” (10º parágrafo), a lacuna deve ser preenchida pela forma verbal “justificava-se”. A forma verbal deve aparecer no singular porque seu referente sujeito é “o direito do marido bater na mulher e até matá-la”. Observe-se: quem é que se justificava? O direito do marido bater na mulher e até matá-la, tendo como núcleo “direito”. Quanto à colocação do pronome oblíquo “se” em ênclise (=pronome depois do verbo), está no início de oração, e o adjunto adverbial “Até há pouco tempo...” está isolado por vírgulas, o que obriga a colocação do “se” depois do verbo: “justificava-se”. RESPOSTA: B. _____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 2 – Interpretação de texto com identificação de nexos No trecho “Mas esse argumento foi usado durante muito tempo no Brasil. Os donos de terra alegavam que, o país sofreria uma catástrofe sem escravos. Eles se achavam no direito de bater e até matar os escravos que fugissem. Nessa época, o voto era um privilégio: só podia votar quem tivesse dinheiro. E para se candidatar a deputado, só com muita riqueza em terras” (8º parágrafo), os elementos de coesão destacados indicam, nos dois casos, restrição de uma ideia em relação a outras. Observe-se que, se só podia votar quem tivesse dinheiro, os donos de terra podiam votar, porque tinham dinheiro, restringindo-se o direito ao voto a quem tivesse terras e o direito a se candidatar a quem tivesse muita riqueza em terra. RESPOSTA: D. Considerações acerca da questão: 1) a vírgula no segmento “Os donos de terra alegavam que, o país sofreria uma catástrofe sem escravos”, o registro de vírgula está errado, porque separa a conjunção integrante “que” do restante dos termos da oração que introduz; nota-se, com evidência, a ausência de revisão por parte da banca Exatus. 2) a proposta da banca, já a partir do enunciado, foi mal-elaborada, porque, no comando da questão, a banca uniu dois períodos independentes, transformando-os em duas orações sem a presença de nexo que as unisse. Novamente, cabe o registro de que faltou revisão dos enunciados das questões, o que revela a baixa qualidade dos serviços oferecidos pela empresa EXATUS. Em nenhum dos casos, porém, há razão para anulação da questão 2. _____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 3 – Vozes verbais A proposta solicita a transformação do trecho “Pessoas deram a vida” (5º parágrafo) para a voz passiva analítica. Observe-se que o sujeito (“Pessoas”) passa a ser o agente da passiva, sendo precedido da preposição “por”; o verbo “dar”, na forma do pretérito perfeito do indicativo “deram”, deve-se transformar em “foi dada”, com verbo “ser” (em “foi”, no pretérito perfeito do indicativo) acrescido do particípio de “dar” (portanto “dada). A expressão “a vida”, que é objeto, passa a ser sujeito da passiva. O segmento “Pessoas deram a vida” (5º parágrafo) corresponde, portanto, na voz passiva analítica, à construção “a vida foi dada por pessoas”. A banca solicitou apenas a forma verbal “foi dada”. RESPOSTA: C. _____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 4 – Identificação de conjunções e tempos verbais No trecho “outros batalharam para você votar” (4º parágrafo), o vocábulo sublinhado é conjunção subordinada adverbial final, indicando, portanto, finalidade. Observe-se que pode ser substituída por “a fim de”. Verdadeira a primeira afirmação. A preposição “até”, no trecho “Crianças chegavam a trabalhar até 15 horas por dia” (9º parágrafo), revela extensão do trabalho das crianças em relação à carga horária, não o trabalho das crianças em si. Falsa a segunda afirmação. A construção verbal “foi usado”, no trecho “Mas esse argumento foi usado durante muito tempo” (8º parágrafo), apresenta o verbo “ser” conjugado no pretérito perfeito do indicativo (“foi”), acrescido do particípio de “usar” (“usado”). No pretérito perfeito, a ideia é de ação concluída, realizada e já acabada. Verdadeira a terceira afirmação. No segmento “Desde então, os direitos foram se alargando” (7º parágrafo), a expressão sublinhada indica circunstância de tempo. Observe-se que pode ser substituída por “desde aquela época” ou “desde aquele tempo”. Verdadeira a quarta afirmação. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 5 – Verbos – regência e identificação de tempos e modos verbais QUESTÃO RECORRÍVEL O verbo “chegar” (em “chegavam”, no 9º parágrafo, que a banca não informou nesta questão) exige preposição “a” no adjunto adverbial que o acompanhará. Por exemplo: chegar a algum lugar, chegar à escola, chegar a fazer algo... Correta a assertiva I. O verbo “haver”, conjugado no presente do indicativo, na 1ª pessoa do plural, tem a forma “havemos”. Não existe a forma verbal “hemos”. Errada a assertiva II. “Ganhar” tem forma culta de particípio em “ganho”, mas a Gramática reconhece a forma alternativa “ganhado”. Certa a assertiva III. As formas verbais “podia” e “tinha” estão conjugadas no pretérito imperfeito do indicativo. Observe-se: eu podia, tu podias, ele(a) podia, nós podíamos, vós podíeis, eles(as) podiam; eu tinha, tu tinhas, ele(a) tinha, nós tínhamos, vós tínheis, eles(as) tinham. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: C. A banca indicou como resposta a letra E, considerando todas corretas, mas a forma “hemos” não existe na conjugação de “haver”. A primeira pessoa do plural de “haver”, no presente do indicativo, é “havemos”. No dicionário Houaiss, na Gramática Houaiss, do Instituto Antônio Houaiss, na Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara, e no Guia Prático de Conjugação de Verbos, de Hugo Bellaro, entre outras obras, não consta como a forma verbal “hemos”. A questão deve sofrer alteração de gabarito, de E para C. ____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 6 – Estrutura e formação de palavras A palavra “discriminado” possui prefixo em “dis-” A palavra “perseguido”, do verbo “perseguir”, é formada por prefixo “per” + “seguido” (particípio do verbo primitivo “seguir”). Em “transplante”, há prefixo, que é “trans”, que significa “além de”, como em “transportar”, ou “através de”, como em “transamazônica”. Na forma verbal “alargando”, o prefixo é “a”, com significado de “ação de”, como em “aplicar” ou “afixar”. Em “relegadas”, não há prefixo, pois o verbo primitivo é “relegar”. RESPOSTA: E. _____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 7 – Acentuação gráfica As palavras “importância” e “privilégio” são acentuadas por serem paroxítonas terminadas em ditongo crescente. Observe-se: im-por-tân-cia e pri-vi-lé-gio. Correta a assertiva I Os vocábulos “catástrofe” e “trânsito” são acentuadas por serem proparoxítonas. Observe-se: ca-tás-tro-fe e trân-si-to. Certa a assertiva II. A palavra “trás” é acentuada por ser monossílaba tônica. A forma verbal “está” é acentuada por ser oxítona terminada em “a”. Portanto “trás” e “está” são acentuadas por regras diferentes. Errada a assertiva III. As palavras “até”, “você” e “além” são acentuadas pela regra das oxítonas. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: C. ___________________________________________________________________________________ QUESTÃO 8 – Verbos – diversos aspectos QUESTÃO RECORRÍVEL A banca solicita ao candidato que indique a alternativa em que se encontra uma natureza comum aos verbos sublinhados no trechos destacados. Para tanto, oferece as opções tempo, modo, voz, conjugação e número, respectivamente, nas alternativas de “a” a “e”. Nos trechos “... mas revelam estágios...” (2º parágrafo), “... o rei tudo podia...” (5º parágrafo), “... o país sofreria uma catástrofe...” (8º parágrafo) e “... ganharam direitos...” (9º parágrafo), os verbos destacados estão conjugados em tempos diferentes: “revelam” está no presente do indicativo; “podia” está no pretérito imperfeito do indicativo; “sofreria” está no futuro do pretérito do indicativo; e “ganharam” está no pretérito perfeito do indicativo. Portanto está errada a assertiva A, já que os verbos estão conjugados em tempos diferentes. Todos os verbos sublinhados, cujos tempos verbais, identificados acima, são diferentes, encontram-se no mesmo modo verbal: indicativo. Logo está correta a opção B. Nas segmentos “... mas revelam estágios...” (2º parágrafo), “... o rei tudo podia...” (5º parágrafo), “... o país sofreria uma catástrofe...” (8º parágrafo) e “... ganharam direitos...” (9º parágrafo), os verbos destacados estão na voz ativa, portanto a opção C também está correta. Os verbos “revelar” e “ganhar” pertencem à 1ª conjugação, pois ambos são terminados em “-ar”; já os verbos “sofrer” e “poder” pertencem à 2ª conjugação. Portanto está errada a opção D. Quanto ao número, “revelam” e “ganharam” estão na 3ª pessoa do plural; as formas verbais “podia” e “sofreria” estão conjugadas na 3ª pessoa do singular. Errada a alternativa E. Em virtude de duas alternativas, B e C, estarem corretas, a questão é passível de anulação. _____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 9 – Classificação de orações No segmento “Parecem insignificantes, mas revelam estágios de cidadania” (2º parágrafo), a oração sublinhada é coordenada sindética adversativa, porque apresenta o nexo “mas”. Falsa a primeira classificação. Na sequência “Gente lutou e morreu para que tivéssemos o direito de votar” (4º parágrafo), a oração sublinhada é subordinada adverbial final. Verdadeira a segunda classificação, embora a banca, por falta de revisão, tenha inserido a preposição “de” em “adverbial de final”, quando deve ser apenas “adverbial final”. Em “Os donos de terra alegavam que o país sofreria uma catástrofe sem escravos” (8º parágrafo), a oração sublinhada é subordinada substantiva objetiva direta, porque complementa o verbo “alegar” e equivale ao objeto direto do verbo. Verdadeira a terceira classificação. Em “Até matar os escravos que fugissem” (8º parágrafo), a oração sublinhada é subordinada adjetiva restritiva, pois s refere apenas aos escravos que fugissem. Observe-se que não há vírgula isolando a oração, o que a tornaria explicativa. Falsa a quarta classificação. RESPOSTA: A. _____________________________________________________________________________________ QUESTÃO 10 – Classes de palavras Na construção “Lutou-se pela ideia de que todos os homens merecem a liberdade e de que todos são iguais diante da lei”, as palavras sublinhadas são, respectivamente, • pronome indefinido • verbo • artigo definido feminino singular • conjunção coordenativa aditiva • adjetivo • substantivo Portanto a sequência numérica correta, de cima para baixo, é 5 – 3 – 4 – 6 – 2 – 1. RESPOSTA: C. _____________________________________________________________________________________ HÁ RECURSOS CONTRA AS QUESTÕES 5 E 8. VER ARGUMENTAÇÃO NOS COMENTÁRIOS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial deste material, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 – Lei dos Direitos Autorais). Publicado no saite do CPC (WWW.cpcrs.com.br) e no blog professormenegotto.blogspot.com.br. Cópias disponíveis na Loja Copystar, na sede do CPCRS

terça-feira, 1 de abril de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CONCURSO REALIZADO EM 30 DE MARÇO DE 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA TÉCNICO BANCÁRIO NOVO DA CAIXA ECONÔMICA ESTADUAL – CERTAME REALIZADO NO DIA 30 DE MARÇO DE 2014 Questão 1 – Regência e pronomes No trecho “devido à oscilação de seu valor, pelo fato de não serem fracionáveis e por serem facilmente perecíveis” (l. 14-16), a substituição dos termos sublinhados por “ao” e “a”, respectivamente, implicaria significativa alteração do sentido original do texto e não preservaria a correção gramatical. Observe-se que o trecho “pelo fato de não serem fracionáveis e por serem facilmente perecíveis” informa as razões pelas quais há oscilação do valor. A construção sugerida pela banca retiraria do contexto a função explicativa do trecho em foco, porque remeteria a uma sequência de elementos ligados à informação de que as mercadorias se tornaram inconvenientes às transações comerciais. Observe-se a construção sugerida e a nítida mudança de contexto: “devido à oscilação de seu valor, ao fato de não serem fracionáveis e a serem facilmente perecíveis”. ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 2 – Identificação de funções sintáticas (sujeito) No trecho “... a marca de quem as emitiu e garante o seu valor”, o sujeito de “garante o seu valor” é “quem”, não marca. Observe-se a pergunta: quem é que emitiu as moedas e garante o seu valor? Resposta: QUEM. Portanto o sujeito de “e garante o seu valor” não é “marca”. ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 3 – Interpretação de texto Infere-se do texto que, após o escambo, os primeiros metais em que eram cunhadas as moedas foram o ouro e a prata, que valiam por várias razões, mas especialmente pelo seu valor econômico da matéria de que eram fabricadas. CERTA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 4 – Pontuação No trecho “Atualmente, quase todos os países possuem bancos centrais, encarregados das emissões de cédulas e moedas” (l. 41-42), vírgula depois de “centrais” isola trecho explicativo relativamente aos “bancos centrais”, abrangendo o universo dos bancos centrais ali tratados. A supressão da vírgula não implicaria erro gramatical, nem atingiria a coerência do texto, mas o sentido da mensagem ficaria alterado, porque o trecho “encarregados das emissões de cédulas e moedas” passaria a restringir bancos centrais. A informação do texto, com a supressão da vírgula, passaria a considerar que quase todos os países possuem bancos centrais encarregados das emissões de cédulas e moedas, enquanto outros possuem bancos centrais, mas que não têm essa função. CERTA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 5 – Pronomes e equivalentes No trecho “Aceita por todos, assumiram a função de moeda, circulando como elemento trocado por outros produtos e servindo para avaliar-lhes o valor” (l. 4-7), o pronome “lhes” retoma “outros produtos” e se equivale ao pronome possessivo “seu”. Observe-se: “Aceita por todos, assumiram a função de moeda, circulando como elemento trocado por outros produtos e servindo para avaliar o seu valor” (= valor dos produtos). CERTA ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 6 – Redação de correspondências oficiais As formas de garantir a impessoalidade dos textos oficiais consiste na não utilização de pronomes e verbos em 1ª pessoa e na objetividade do texto, que não pode apresentar traços subjetivos do servidor. O nome do signatário de uma comunicação é obrigatório em vários documentos, segundo o Manual de Redação da Presidência da República, e não representa impessoalidade. ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 7 - Redação de correspondências oficiais Em comunicações oficiais endereçadas a senador da República, segundo o Manual de Redação da Presidência da República, o vocativo é “Senhor Senador”. Para o Presidente do Senado da República, o vocativo será “Excelentíssimo Senhor Senador”. ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 8 - Redação de correspondências oficiais Segundo o Manual de Redação da Presidência da República, os fechos das correspondências oficiais obedecerá à seguinte norma: a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente,... b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente,... Portanto, em comunicação oficial emitida pelo Presidente da República a ministro de Estado, o fecho deve ser “Atenciosamente”. CERTA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 9 – Interpretação de texto No trecho “O profissional tem de ter visão do negócio e conhecer a realidade da empresa que atende, senão ficará sem emprego” (l. 24-25), há justificativa para se afirmar que apenas a obtenção de um diploma de curso superior não garante ao profissional de TI um emprego nessa área. CERTA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 10 - Interpretação de texto As opiniões dos profissionais Pier Carlo Sola(1), Marcos Vono(2) e Ivair Rodrigues(3) são convergentes, porque todos eles afirmam a necessidade de o profissional de TI (ou TIC) ser qualificado (1), saber se comunicar e trabalhar em diversas equipes (2), ter visão do negócio e conhecer a empresa que atende (3). ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 11 – Concordância nominal No trecho “o profissional de TIC tem de estar comprometido com o aprendizado contínuo e interessado em trabalhar com gestão de projetos” (l. 16-18), o adjetivo “interessado” qualifica “o profissional”, não “o aprendizado”. ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 12 – Crase No trecho “ligados a computação, informática, TI e análise de sistemas” (l. 30-31), a indicação de crase em “ligados à computação” não manteria a correção gramatical, embora “ligados” esteja regendo preposição “a”, e a palavra seguinte (“computação”) seja feminina. Para que o sinal de crase pudesse ser indicado e mantivesse a correção, seria necessário que houvesse artigo diante de “informática”, de “TI” e de “análise”. A ausência de artigo diante dessas palavras determina que, antes da primeira, também não haja artigo, restando apenas a preposição “a”. ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 13 – Concordância verbal No trecho “Apesar de não haver estatísticas” (l. 10), o verbo “haver” está empregado na sua forma impessoal. Ao substituir por “existir”, obrigatoriamente deverá ser “existirem”, no plural, porque “existir” é verbo pessoal e deverá concordar com “estatísticas”. ERRADA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ Questão 14 – Interpretação de texto De acordo com o texto, em várias passagens, especialmente na visão dos três profissionais ligados à área de tecnologia da informação, são competências complementares de um profissional de TI a disposição para aprender continuamente e a correta percepção do ambiente profissional onde ele vai atuar. CERTA A ASSERTIVA. _____________________________________________________________ NÃO HÁ RECURSOS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial destes comentários, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 – Lei dos Direitos Autorais). Publicado no saite do CPC (WWW.cpcrs.com.br) e no blog professormenegotto.blogspot.com.br. Cópias disponíveis na Loja Copystar, na sede do CPCRS

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA AUDITOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - CAGE - CONCURSO REALIZADO EM 8 E 9 DE MARÇO DE 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO PARA AUDITOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (CAGE) – CERTAME REALIZADO NOS DIAS 8 E 9 DE MARÇO DE 2014 QUESTÃO 81 - Ortografia As palavras que devem preencher as lacunas das linhas 06, 17 e 28 são, respectivamente, “companhia”, “projeções” e “frustrações”. A banca indicou como resposta correta a alternativa C, em que figuram “companhia”, “prejeções” e “frustrações”. A palavra “prejeções” não existe nos dicionários Aurélio, Houaiss, Silveira Bueno e no VOLP (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras). A questão, portanto, deve ser anulada. RECURSO PROVIDO – QUESTÃO ANULADA ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 82 – Crase A lacuna da linha 17 (segunda ocorrência) deve ser preenchida com “às”, porque a preposição é exigida pela regência de “conferir”, em “confiram coloridos diversos da realidade ___ situações”, e em razão de “situações”, que é palavra feminina. Errada a assertiva I. Na assertiva II, a lacuna da linha 31 deve ser preenchida por “às”, haja vista que atende à regência do verbo “recorrer”, em “recorre ___ ideias”, e da palavra “ideias”, que é feminina. Correta a primeira afirmação da assertiva. A segunda afirmação da mesma assertiva está correta também, porque, em se alterando “ideias” por “pensamentos”, a lacuna deveria ser preenchida por “a” ou “aos”, uma vez que se trata de palavra masculina. Correta a assertiva II. Na linha 42, a lacuna deve ser preenchida por “a” ou “aos”, atendendo à regência do substantivo “início”, que, no caso, exige preposição “a”, e da palavra “trabalho”, que é masculina. Portanto não cabe o registro de “às”. Errada a assertiva III. Quanto ao preenchimento da linha 45, deve aparecer ali apenas o artigo “a”, porque o verbo “recuperar” é transitivo direto (quem recupera recupera alguma coisa). A exigência de artigo ocorre, portanto, apenas em razão da palavra “capacidade”, que é feminina. Errada a assertiva IV. RESPOSTA: D. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 83 – Fonética Nas palavras “experiências” (l. 02) /ESPERIÊNCIAS/ e “contexto” (l. 08) /CONTÊSTO/, a letra “x” tem igual valor pronuncial, pois ambas desempenham o fonema /S/. Correta a assertiva I. Quanto aos substantivos “conexões” (l. 22) /CONEKSÕES/ e “reflexões” (l. 30) /REFLEKSÕES/, a letra “x” tem valor pronuncial de /KS/. Correta a assertiva II. Quanto à assertiva III, em “queixas” (l. 20) /KEIXAS/, com “x” valendo /CH/, e “chama” (l. 35) /XAMA/, com “ch” na sua única forma de pronúncia /X/ = /CH/, apresentam igual fonema. RESPOSTA: E. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 84 – Conjugação e concordância verbal No trecho “Ainda assim você seria como é, pensaria da mesma maneira, teria a mesma falta e nutriria o mesmo desejo que cativa?” (l. 02-03), a substituição de “seria” (que está no futuro do pretérito do indicativo) por “será” (no futuro do presente do indicativo), os verbos “pensar”, “ter”, “nutrir” também devem sofrer alteração. Observe-se a reconstrução: “Ainda assim você será como é, pensará da mesma maneira, terá a mesma falta e nutrirá o mesmo desejo que cativa?”. Portanto está correta a assertiva I, uma vez que afirma a necessidade de alteração dos três verbos da construção. Considerando-se o trecho que é base para toda a questão, a substituição de “você” por “nós” produziria seis alterações: “Ainda assim nós seríamos como somos, pensaríamos da mesma maneira, teríamos a mesma falta e nutriríamos o mesmo desejo que cativa?” Correta a assertiva II. Pluralizando-se “o mesmo desejo”, no trecho que é base para toda a questão, obtém-se a redação “Ainda assim você seria como é, pensaria da mesma maneira, teria a mesma falta e nutriria os mesmos desejos que cativa?” Não há, portanto, alteração no verbo “cultivar”. Errada a assertiva III. RESPOSTA: D. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 85 – Semântica A palavra “ensaísta”, no trecho da linha 13, está empregado como escritor de ensaios (análises ou artigos literários). Não significa o que ensaia apresentações regularmente. Errada a assertiva I. A palavra “faina” (l. 24) está empregada como trabalho, atividade constante, não como “grupo de pessoas”. Errada a assertiva II. O adjetivo “passível”, no trecho “... passível de cuidadosa e constante reconstrução” (l. 48-49), está empregada como “merecedora”, não como algo que possa acontecer. Errada a assertiva III. RESPOSTA: E. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 86 – Pontuação No trecho da linha 05 (primeira ocorrência), “... dito “não” em vez de sim...” e no da linha 24, “... se apegam ao “mito do potencial”, capaz de...”, as aspas em “não” e “mito do potencial”destacam palavra e expressão, respectivamente. Nos trechos das linhas 07, 09 (segunda ocorrência), 32 e 33 (primeira ocorrência), as aspas destacam títulos de livros ou artigos. Já nos trechos das linhas 08 e 09 (primeira ocorrência), 37 e 38, as aspas destacam citações. RESPOSTA: B. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 87 – Semântica e concordância A palavra “inevitável”, no trecho “Ainda assim parece inevitável [...] pensarmos...” (l. 04) pode ser substituída por “não ser possível evitar”, mantendo-se o sentido original e a correção sintática. Observe-se o trecho já alterado: “Ainda assim parece não ser possível evitar [...] pensarmos...”. Verdadeira a primeira proposta. No trecho “... reproduz a sensação de incompletude” (l. 25), o termo “incompletude” significa que não está completo, integral. Nesse caso, não pode ser substituído por “nunca haver qualquer tipo de complemento”. A substituição causaria alteração semântica. Falsa a segunda proposta de alteração. O adjetivo “inexorável”, no trecho “... e falar da lacuna inexorável existente” (l. 30), está sendo empregado como “inflexível”, não podendo ser substituído por “que não pode ser preenchida”. A substituição causaria alteração semântica. Falsa a terceira proposta. Quanto ao adjetivo “incondicional”, no trecho “Provavelmente não completa, não incondicional” (l. 47), não pode ser substituída por “condicional”, porque é termo oposto ao que foi empregado no texto, a menos que fosse proposta a supressão de “não”, cuja afirmação não está na assertiva. Falsa a quarta proposta. RESPOSTA: A. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 88 – Funções do SE Nos trechos “E se você não tivesse feito as opções que fez até hoje (l. 01) e “o que teria sido de nós se tivéssemos aceito aquela proposta” (l. 04-05) (frases 1 e 3), as duas ocorrências de “se” devem ser classificadas como conjunções subordinativas condicionais, equivalentes a “caso”. Na ocorrência da frase 2, o “se” está empregado na função de pronome reflexivo: “mas se perdem...” (l. 27) = eles perdem a si próprios. Nas ocorrências das frases 4 e 5, o “se” está sendo empregado como partícula apassivadora. Observe-se: “muitos se apegam” (l. 24) = são apegados; “se dê de maneira” (l. 39-40) = seja dado. RESPOSTA: A. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 89 – Identificação e classificação de orações Com relação ao trecho “Não raro, nos consultórios de psicólogos e psicanalistas, aparece a inquietude em forma de queixas de tristeza e irritação” (l. 20-21), são feitas as seguintes análises: • o período é composto por uma oração, porque apresenta um verbo (“aparecer”). Verdadeira a primeira afirmação. • o sujeito da oração é “a inquietude em forma de queixas de tristeza e irritação”, cujo núcleo é “inquietude”. “Não raro” é adjunto adverbial de modo, equivalente a “Frequentemente” ou “Muitas vezes”. Falsa a segunda análise. • o verbo “aparecer” é intransitivo, apresentando sujeito, mas não objeto. Verdadeira a afirmação. • o segmento “nos consultórios de psicólogos e psicanalistas” é adjunto adverbial de lugar, não adjunto adnominal. Falsa a quarta afirmação. • a substituição de “em forma de” por “formando” acarretaria o surgimento de nova oração. Observe-se que, em “Não raro, nos consultórios de psicólogos e psicanalistas, aparece a inquietude, formando de queixas de tristeza e irritação”, apareceria novo verbo, o que ensejaria nova oração. Falsa a quinta assertiva. RESPOSTA: E. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 90 – Interpretação de texto Quanto à assertiva I, não há, no texto, informação de que a ciência tenha provas concretas de que, caso outras escolhas tivessem sido feitas e outros caminhos sido tomados, ainda assim estaríamos no mesmo local, fazendo as mesmas coisas. Errada a afirmação I. Com base no segmento presente nas linhas 07 a 12, Adam Phillips auxilia o entendimento de que a história não é apenas o que ocorreu, mas como os fatos ocorreram inseridos em outros fatos possíveis de realização, mas que não ocorreram. Correta a assertiva II. Errada a assertiva III, porque, a partir dos segmentos presentes no texto, em especial entre as linhas 40 a 43, para Freud a alucinação só ocorre quando passamos por estados de privação, portanto os sonhos possuem importância para os indivíduos. Errada a assertiva III. RESPOSTA: B. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 91 – Interpretação de texto Morus anteviu uma sociedade em que não haveria propriedade privada e cada família teria dois escravos, conforme o trecho entre as linhas 03 a 12. Portanto, em razão da existência de escravos, não seria uma sociedade livre e igualitária. Errada a assertiva I. A sociedade utópica aparece de formas diferentes na visão de vários autores. Errada a assertiva II. De acordo com o segmento entre as linhas 22 a 27, o autor defende a ideia de que a utopia dos automóveis, como outras utopias, não é possível de ser realizada. Correta a assertiva III. RESPOSTA: C. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 92 – Preposições e pronomes Na linha 02, no trecho “... um defeito que as condenava”, o “as” é pronome oblíquo átono, retomando “utopias”. Correta a assertiva I. Quanto à linha 08, no trecho “... tendência para a tirania e as leis seriam tão simples, que dispensariam a existência de advogados”, as três ocorrências de “a(s)” apresentam artigos definidos. Errada a assertiva II. No trecho “no mundo todo e cada vez mais as pessoas se entregam a religiões e se matam por elas” (l. 20-21), a primeira ocorrência apresenta artigo definido feminino plural, e a segunda ocorrência traz preposição. Errada a assertiva III. RESPOSTA: B. QUESTÃO 93 – Semântica “Utopia” efetivamente descreve, no texto, lugar ou situação fantasiosos, não realizáveis. Correta a assertiva I. Em “distopia”, o prefixo “dis” indica negação, e a palavra significa localização anômala de um órgão. Errada a assertiva II. No texto, as palavras “utopia” e “distopia” estão sendo empregadas em sentido oposto, não complementar. Errada a assertiva III. RESPOSTA: E. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 94 – Semântica Quanto à assertiva I, o adjetivo “idílica” significa produto de fantasia no contexto em que se encontra. Sua substituição por “pitoresca”, que qualifica o que é digno de ser pintado, retratado, alteraria semanticamente a mensagem original. Com relação à assertiva II, o termo “pifou”, (l. 25) está empregado como “falhou”. A substituição de “pifou” por “falhou” não alteraria o sentido original da mensagem. Na proposta da assertiva III, “chacinas” (l. 26) pode ser substituído por “mortandades”, sem causar alteração de sentido. RESPOSTA: A. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 95 – Interpretação de texto. A partir do trecho “Dizem que Morus teve uma certa inspiração nas descobertas recentes do Novo Mundo, e mais especificamente do Brasil” (l. 03-04), pode-se afirmar que • quando Morus teve inspirações, o Novo Mundo já havia sido descoberto, porque Morus só teve inspiração a partir da ciência de que haviam descoberto outras terras. Correta a assertiva I. • o segmento não traz informações sobre as pessoas que revelaram a inspiração de Morus. Observe-se que, na forma verbal “Dizem”, o sujeito é indeterminado. Correta a assertiva II. • o trecho não traz elementos que sustentem a afirmação de que Morus tenha sido influenciado exclusivamente pela descoberta do Novo Mundo. Errada assertiva III. RESPOSTA: C. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 96 – Reconstrução de frases Os fragmentos (1) os governantes seriam filósofos e (2) ou os filósofos, governantes (l. 13-14) expressam igual sentido. Correta a assertiva I. Nos fragmentos (1) os governantes seriam filósofos e (2) ou os filósofos, governantes (l. 13-14), não há diferença semântica: no (1), não se pode interpretar que os governantes não poderiam vir a ser filósofos, nem em (2), em que não se depreende a ideia de que governantes deveriam estudar filosofia. Errada a assertiva II. Com efeito, os dois fragmentos apresentam similaridade sustentada pela intenção do autor em enfatizar o papel que os filósofos desempenhavam na sociedade imaginada por Platão. Correta a assertiva III. RESPOSTA: D. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 97 – Acentuação gráfica A palavra “saúde” é acentuada porque o “u” é tônico, precedido de vogal e forma sílaba sozinho, ou seja, leva acento pela regra do “i” e “u”; já “família” é acentuada por ser paroxítona terminada em ditongo crescente. Errada a afirmação I. As palavras “príncipe” e “época” são acentuadas efetivamente por serem proparoxítonas. Correta a afirmação II. A palavra “só” é acentuada por ser monossílaba tônica; a palavra “propôs” é acentuada pela regra das oxítonas. Errada a assertiva III. RESPOSTA: B. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 98 – Concordância Se no trecho “Morus prescrevia dois escravos para cada família, recrutados entre criminosos e prisioneiros de guerra” (l. 09-10), “escravos” fosse substituído por “empregada”, seriam necessárias, pelo menos, outras duas alterações (obrigatórias). Observe-se: “Morus prescrevia uma empregada para cada família, recrutada entre criminosos e prisioneiros de guerra”. Ainda se poderia considerar a reescritura com quatro alterações, sendo duas não obrigatórias: “Morus prescrevia uma empregada para cada família, recrutada entre criminosas e prisioneiras de guerra”. Errada a assertiva I. Na linha 21, no trecho “Ele mesmo foi vítima da violência, enquanto no mundo todo e cada vez mais as pessoas se entregam a religiões e se matam por elas” (l. 20-21), a alteração de “pessoas” por “população” acarretaria outros três ajustes. Observe-se: “Ele mesmo foi vítima da violência, enquanto no mundo todo e cada vez mais a população se entrega a religiões e se mata por elas”. Errada a assertiva II. Passando-se “carros”, no trecho “No futuro previsto, os carros ofereceriam transporte rápido e lazer inédito em estradas magnetizadas para guiá-los mesmo sem motorista” (l. 22-24), para “carro”, haverá três reajustes. Observe-se: “No futuro previsto, o carro ofereceria transporte rápido e lazer inédito em estradas magnetizadas para guiá-lo mesmo sem motorista”. Errada a assertiva III. RESPOSTA: E. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 99 – Morfologia, regência... No trecho “... Voltaire colocou sua sociedade ideal, onde haveria muitas escolas mas nenhuma prisão” (l. 15-16), não se pode substituir “onde” por “aonde”. “Onde” deve ser empregado em situações estáticas, como “colocar”; “aonde” deve ser empregado quando verbo ou nome exigirem preposição “a”, como “vamos aonde?” (quem vai vai A). Além de errada, a substituição deixaria o trecho sem sentido, portanto com alteração. “Menos [...] do que”, no trecho da linha 16, está empregado com sentido de comparação de inferioridade do primeiro em relação ao segundo termo; “tanto [...] como” expressa ideia de comparação com igualdade entre os dois termos. Portanto a substituição acarretaria alteração de sentido. No trecho “...futuro redentor em que a emancipação da classe trabalhadora traria” (l. 17-18), a substituição de “em que” por “no qual” não alteraria o sentido original da mensagem. O termo “enquanto” significa “ao mesmo tempo”; a conjunção “porquanto” traduz causa. A substituição do primeiro termo pela conjunção alteraria o sentido original da mensagem. RESPOSTA: A. QUESTÃO ANULADA EM RAZÃO DE QUE A LINHA INDICADA EM QUE APARECIA A PALAVRA “ENQUANTO” NÃO CORRESPONDIA À LINHA EM QUE EFETIVAMENTE ESTAVA. ______________________________________________________________________________ QUESTÃO 100 – Pronomes (referentes e referidos) No trecho “...uma sociedade ideal, que significaria um renascimento para a humanidade” (l. 04-05), a palavra “que” é pronome relativo e retoma “sociedade ideal”. Correta a assertiva I. Na linha 07, no trecho “O governo seria exercido por um príncipe eleito que poderia ser”, o pronome relativo “que” retoma “príncipe eleito”, não “O governo”. Errada a assertiva II. O pronome pessoal reto “ela”, no trecho “Morus tirou o nome da sua sociedade perfeita da palavra grega para ‘lugar nenhum’, o que de saída já significava que ela só poderia existir mesmo na sua imaginação” (l. 11-12), retoma “sociedade perfeita”, porque quem poderia existir apenas na imaginação de Morus é a “sociedade perfeita”, não a palavra grega. Errada a assertiva III. No trecho “No futuro previsto, os carros ofereceriam transporte rápido e lazer inédito em estradas magnetizadas para guiá-los mesmo sem motorista. Isso se eles não voassem...” (l. 22-24), o pronome reto “eles” retoma “os carros”. Correta a assertiva IV. RESPOSTA: B. Proibida a reprodução parcial ou total deste texto sem a anuência do autor ou do CPC. Comentários publicados também no blog professormenegotto.blogspot.com. Cópias impressas disponíveis na loja Copy Star (CPC) ---------------------------------------------------------------

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO DA SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL – PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE NÍVEL MÉDIO

COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO DA SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL – PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE NÍVEL MÉDIO Prova ocorrida dia 26 de janeiro de 2014 QUESTÃO 1 – Ortografia. As lacunas das linhas 09, 14, 17 e 19 devem ser preenchidas, respectivamente, pelas palavras “aborígenes” (ou “aborígines”), “êxito” (que significa sucesso, resultado satisfatório), “ameríndios” (denominação dada aos índios americanos, daí “amer”, de América” + “índios”), e “miscigenação” (processo ou resultado de mistura de raças). RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 2 – Interpretação de texto. Segundo o texto, especialmente no trecho “Se eles foram extintos, diz a professora Maria Cátira Bortolini, não foi por falta de astúcia, mas por diferenças culturais entre aquela espécie e a nossa” (l. 03-04), não há referência a questões genéticas. Incorreta a assertiva I. Quanto à assertiva II, não há, no texto, referência ao fato de ainda hoje existirem pessoas que vivem na díade da pedra, muito menos pela justificativa de não se interessarem por tablets. Incorreta a afirmativa II. O texto aborda que o Neandertal povoou a Europa por dezenas de milênios, antes de disputá-la com o sapiens, mas não faz referência ao fato de o Neandertal ter desaparecido em razão do cruzamento com o Homo sapiens (l. 10-11). Nas linhas 18 a 20, o texto aborda a absorção dos Neandertais pela miscigenação. Incorreta a assertiva III. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 3 – Pontuação, identificação de sujeito e interpretação de texto. No trecho “Bortolini não é antropóloga culturalista – bióloga, comparou 162 genes das duas espécies e constatou que, em matéria de cognição, o Neandertal não fica devendo nada para um Da Vinci.” (l. 04-06), não há erro de pontuação. Observe-se que o travessão introduz uma explicação; a vírgula depois de “bióloga” isola aposto; as vírgulas antes e depois de “em matéria de cognição” isolam um adjunto adverbial deslocado. Falsa a primeira afirmação. O travessão utilizado no trecho é pontuativo, introduzindo explicação; não é, portanto, ortográfico, nem a palavra é composta. Falsa a segunda afirmação. As formas verbais “comparou” e “constatou” estão na terceira pessoa do singular e tem como sujeito “Bortolini”, sobrenome da professora. Verdadeira a terceira afirmação. A comparação é feita entre a espécie Neandertal e o gênio Leonardo Da Vinci, não espécie Da Vinci. A expressão “não fica devendo” está sendo empregada em sentido figurado, não envolvendo débito monetário. Falsa a quarta afirmação. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 4 – Semântica e interpretação de texto. A expressão “deita abaixo”, no trecho “justamente o que deita abaixo a pesquisa do grupo...” (l. 15), está empregada em sentido figurado e significa “põe abaixo”, “desaprova”, “desmancha”, “extingue”. Portanto está correta a afirmação I e errada a afirmação II. A substituição de “deita abaixo”, no trecho acima reproduzido, por “indica” alteraria o sentido, pois passaria a significa o contrário da mensagem original. Errada a assertiva III. RESPOSTA: A. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 5 – Emprego de pronomes. No trecho “Se eles foram extintos, diz a professora Maria Cátira Bortolini, não foi por falta de astúcia, mas por diferenças culturais entre aquela espécie e a nossa” (l. 03-04), o pronome “eles” (destacado) se refere a “Neandertais” (l. 01), não a “penduricalhos” (l. 02) Errada a primeira relação. A segunda ocorrência de “que” (l. 10), no trecho “Bortolini sugere que o mesmo se aplica para as nossas diferenças com o Neandertal, que por dezenas de milênios povoou a Europa, antes de disputá-la com o sapiens...” (l. 09-11), refere-se a “Neandertal”, registrado imediatamente antes do pronome. Correta a segunda relação. No trecho “Bortolini sugere que o mesmo se aplica para as nossas diferenças com o Neandertal, que por dezenas de milênios povoou a Europa, antes de disputá-la com o sapiens...” (l. 09-11), o pronome “la” (destacado) retoma “Europa”. Correta a terceira relação. A expressão “os visitantes”, no trecho “ As populações Neandertais não sobreviveriam por mais de 10 mil anos após o contato com os visitantes” (l. 13-14), refere-se ao “sapiens” (l. 11), não às “populações Neandertais”. Errada a quarta relação. O pronome possessivo “sua”, no trecho “é possível que os Neandertais tenham sido ‘absorvidos’ num processo de miscigenação, diluindo gradualmente a sua carga genética a cada novo filho...” (l. 18-20), retoma “Neandertais” (carga genética dos Neandertais), não a “hominídeos africanos”. Errada a quinta relação. RESPOSTA: C. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 6 – Formação de palavras e semântica. O termo “emigrante” é substantivo derivado de verbo (“emigrar”). O verbo recebe o sufixo “-ante”, que indica agente, função, equivalente a “emigrado”, cujo significado é idêntico. As duas formas (“emigrante” e “emigrado”) significam aquele que deixou seu país de origem, sendo oposto a “imigrar”. Portanto estão corretas as assertivas A, B, C e E. Está errada a alternativa D, porque o sentido de “emigrante” vai de encontro ao sentido de “imigrar”, portanto opostamente. RESPOSTA: D. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 7 – Relação entre letras e fonemas (fonética). A palavra “penduricalhos” (l. 02) apresenta 13 letras e 2 dígrafos (1 nasal: EM; 1 oral: LH), logo tem 11 fonemas. A palavra “extintos” (l. 03) apresenta 8 letras e 1 dígrafo nasal (IN), logo tem 7 fonemas. A palavra “Neandertal” (l. 10) apresenta 10 letras e 1 dígrafo (AN), portanto tem 9 fonemas. Em “hipóteses” (l. 14), há 9 letras, mas o H inicial não é sonante, logo tem 8 fonemas. No adjetivo “genealógica” (l. 21), há 11 letras e nenhum dígrafo ou dífono, portanto possui igual número de letras e fonemas. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 8 – Formação de palavras. A palavra “antropocêntrico” (l. 01) é formada por dois primitivos (“antropo” e “centro”) e um sufixo (“-ico”). Portanto sua formação pode ser entendida como derivação sufixal. Errada a afirmação I. O termo “lítica” (l. 08) apresenta o sufixo “-ica” (a exemplo de “-ico”, em “antropocêntrico”). O sufixo “-ico/ica” é formador de adjetivo. No caso de “lítica” (referente ao “lito” – pedra -), a palavra se deriva de substantivo. Errada a afirmação II. O radical de “forasteira” (l. 20) é “fora”, não “for”. O sufixo é “-eira”, significando aquela que vem de fora. Errada a afirmação III. RESPOSTA: E. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 9 – Conjugação verbal. O verbo “ir”, no trecho “Vá tentar ser...” (l. 01) está conjugado na terceira pessoa do singular do modo imperativo (você), expressando uma ordem, que é a natureza dos verbos no imperativo. Observe-se: VAI tu, VÁ você... No trecho “Se eles foram...” (l. 03), o verbo “ir” está na terceira pessoa do plural (eles) do pretérito perfeito do indicativo. Observe-se: eu FUI, tu FOSTE, ele(a) FOI, nós FOMOS, vós FOSTES, eles(as) FORAM. RESPOSTA: A. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 10 – Reescrituras de trechos. QUESTÃO PASSÍVEL DE RECURSO Se, no trecho “Se eles foram extintos, diz a professora Maria Cátira Bortolini, não foi por falta de astúcia, mas por diferenças culturais entre aquela espécie e a nossa” (l. 03-04), “foram” fosse substituído por “fossem”, a frase deveria ser alterada. Observe-se a alteração: “Se eles fossem extintos, diz a professora Maria Cátira Bortolini, não seria por falta de astúcia, mas por diferenças culturais entre aquela espécie e a nossa”. O verbo no pretérito imperfeito do subjuntivo (“fossem”) exigirá que o verbo “ser”, na forma “foi”, passe para o futuro do pretérito do indicativo (“seria”), ou “teria sido”. Incorreta a assertiva I. A BANCA INDICOU COMO CORRETA ESTA ASSERTIVA. No trecho “temos primos Homo sapiens vivendo no tempo da indústria lítica...” (l. 07-08), a forma verbal “vivendo” não poderia ser substituída por “que vivem”, haja vista que romperia o paralelismo existente entre “vivendo” e construindo”, ambos no gerúndio. Se fosse substituído por “que vivem”, o gerúndio “construindo” deveria passar a “constroem”. Por exemplo: “temos primos Homo sapiens que vivem no tempo da indústria lítica e constroem ferramentas...”. Incorreta a assertiva II. A substituição de “é provável” por “provavelmente”, no trecho “Por isso que, se a sua árvore genealógica não estiver toda plantada na África, é provável que você carregue de 1% a 4% de ‘DNA Neandertal’” (l. 20-22), não é possível sem causar alterações na frase. Observe-se: “Por isso que, se a sua árvore genealógica não estiver toda plantada na África, provavelmente que você carrega de 1% a 4% de ‘DNA Neandertal’”. Incorreta a assertiva III. A BANCA INDICOU COMO CORRETA ESTA ASSERTIVA. RESPOSTA DA BANCA: B. – RESPOSTA ADEQUADA: E. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 11 – Crase. Na lacuna da linha 03, no trecho “... mas ela ajuda ___ reforçar...”, deve aparecer apenas preposição “a”, porque “reforçar” é verbo, e antes de verbo não há crase. Correta a assertiva I. No trecho “a resistência ___ tese do ‘gente como a gente’ é comparável ___ preconceitos...” (l. 24), a primeira lacuna deve ser preenchida com “à”, porque “resistência” exige preposição “a” e a palavra “tese” é feminina; a segunda lacuna, porém, deve receber apenas preposição “a”, porque “preconceitos” é palavra masculina, e antes de palavra masculina não há crase. Errada a assertiva II. Quanto à lacuna da linha 26, no trecho “provável adaptação ___ ambientes glaciais”, deve receber apenas preposição “a”, porque a palavra “ambientes” é masculina, e antes de palavra masculina não há crase, estando no singular ou no plural. Errada a assertiva III. RESPOSTA: D. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 12 – Semântica. No trecho “características rácicas” (l. 11), o adjetivo “rácicas” significa “raciais”, podendo ser substituído por esta palavra sem alteração de sentido. A sugestão da assertiva I não provoca alteração de sentido. “Indícios” é sinônimo de “vestígios”. Portanto, no trecho “o pesquisador português encontrou indícios de pintura...” (l. 15), o termo “indícios” poderá ser substituído por “vestígios”, sem alteração do texto original. A sugestão da assertiva II não provoca alteração de sentido. O adjetivo “simbólico”, no trecho “incapazes de comportamento simbólico” (l. 18), significa que tem caráter de ou que serve como símbolo. “Simbolista”, por sua vez, significa que é adepto do movimento Simbolista. Não é possível, portanto, substituir “simbólico” por “simbolista”. A sugestão III provoca alteração de sentido. RESPOSTA: D. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 13 – Reconhecimento e classificação de orações. No trecho “É possível que as variações de Homo sejam representações modernas de uma espécie que vem se definindo há dois milhões de anos” (l. 05-06), a oração principal é “É possível”. O sujeito de “É possível” é o restante da frase (oracional). Correta a assertiva I. O período é composto por duas orações: 1ª) “É possível que as variações de Homo sejam representações modernas de uma espécie”; 2ª) “que vem se definindo há dois milhões de anos”. Errada a assertiva II. A oração “que vem se definindo há dois milhões de anos” é subordinada adjetiva restritiva, não explicativa, pois não ficou isolada por vírgulas. Errada a assertiva III. RESPOSTA: A. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 14 – Reconhecimento de classes gramaticais. No trecho “É possível que as variações de Homo sejam representações modernas de uma espécie que vem se definindo há dois milhões de anos” (l. 05-06), os termos destacados são: possível adjetivo, porque traduz qualidade variações substantivo comum, simples e abstrato de preposição uma artigo indefinido feminino singular que pronome relativo dois numeral cardinal RESPOSTA: D. QUESTÃO 15 – Conjunções. No trecho da linha 03 (“mas ela ajuda a reforçar”), a conjunção “mas”, que é coordenativa adversativa, funciona como mecanismo de contraste ou oposição. Quanto à ocorrência de “mas também”, no trecho “Diferiam mais do que, hoje em dia, diferem os esquimós e os etíopes, mas também eram diferenças...” (l. 12-13), a locução conjuntiva “mas também”, é mecanismo que indica adição, soma. No segmento “para preservar a ideia de que os Neandertais eram brucutus incapazes de comportamento simbólico, cientistas chegam a cogitar...” (l. 17-18), a conjunção “para” (subordinativa final) é mecanismo que revela finalidade. No trecho “Por isso, foi traumático saber que a Terra...” (l. 31-32), a conjunção “Por isso” indica explicação em relação à afirmação contida no período anterior. A combinação numérica será 2 – 1 – 4 – 3. RESPOSTA: D. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 16 – Semântica e interpretação. Na opção A, o trecho não apresenta termo ou expressão de linguagem informal. Na alternativa B, a expressão “soprar um apito final na comunidade científica” e “mixórdia acadêmica” são segmentos claramente utilizados como linguagem informal. Na opção C, “brucutus incapazes de comportamento simbólico” está sendo empregada como linguagem figurada, informal. A expressão “mocorongos” revela, na assertiva D, o emprego de linguagem informal. Ao empregar “cabeçudos”, na construção da opção E, utilizou-se linguagem informal. RESPOSTA: A. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 17 – Reescritura de trechos. O trecho “como a discussão sobre se os índios tinham alma ou não” (l. 27-28) não guarda equivalência de sentido com “como o debate sobre a existência ou não dos índios e de suas almas”. No trecho original, a discussão ocorre sobre a existência de alma nos índios; na proposta de reescritura, a discussão passa a ser sobre a existência dos índios e de suas almas. A proposta da assertiva I acarreta mudança de sentido. No segmento “mas a teoria estaria alicerçada em poucas amostras” (l. 22), a ideia pode ser reescrita como a sugestão: “mas a teoria alicerçar-se-ia em poucas amostras”. A supressão do verbo auxiliar “estar” e a colocação de pronome em mesóclise são medidas corretas gramaticalmente e mantêm o sentido original do texto. Quanto à mesóclise, não há elemento de atração que exija próclise. A proposta da assertiva II não acarreta mudança de sentido. O segmento “Não faz sentido colocar a questão em termos de ‘nós e os outros’” (l. 10) não encontra correspondência de sentido na reconstrução “o sentido não é feito por termos a questão do ‘nós e dos outros’”. Observe-se que, no trecho original, colocar a questão em termos de nós e os outros é que não faz sentido; na reconstrução, o sentido não é feito porque temos a questão do nós e dos outros, o que altera sensivelmente o sentido. A proposta da assertiva III acarreta mudança de sentido. RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 18 – Acentuação gráfica. A palavra “fértil” (l. 03) é acentuada por ser paroxítona terminada em “L”. Já “intraespecífica” (l. 13) leva acento gráfico por ser proparoxítona. Errada a assertiva I. O advérbio “também” recebe acento pela regra das oxítonas terminadas em “EM”. Correta a assertiva II. Se for retirado o acento gráfico de “está” (l. 32), a palavra resultante será pronome demonstrativo “esta”; se for retirado o acento gráfico de “história”, a forma resultante será verbo: “historia” (eu historio, tu historias, ele(a) historia...). Certa a afirmação III. RESPOSTA: D. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 19 – Concordância. No trecho “E assim também João Zilhão, arqueólogo da Universidade de Barcelona que vem estudando a arte deixada pelos Neandertais nos sítios de Cueva de los Aviones e Cueva Antón, no sudeste da Espanha” (l. 07-09), se for acrescentado o segmento “e seus colegas de departamento” logo após “João Zilhão”, haverá outras duas alterações obrigatórias: “E assim também João Zilhão e seus colegas de departamento, arqueólogos da Universidade de Barcelona que vêm estudando a arte deixada pelos Neandertais nos sítios de Cueva de los Aviones e Cueva Antón, no sudeste da Espanha”. Errada a assertiva I. Se “matriz”, no trecho “Há também uma matriz cultural que tenta nos erguer acima e para fora da natureza” (l. 31), fosse pluralizada, haveria outras três alterações obrigatórias: “Há também umas matrizes culturais que tentam nos erguer acima e para fora da natureza”. Correta a assertiva II. A substituição de “ideia” por “opinião”, no trecho “sempre defendo a ideia de que o sentido da humanidade não automaticamente nos exclui do mundo vivo, do mundo animal – diz Bortolini” (l. 35-36), não acarretaria alteração. Observe-se o trecho com a modificação sugerida: “sempre defendo a opinião de que o sentido da humanidade não automaticamente nos exclui do mundo vivo, do mundo animal – diz Bortolini”. Errada a afirmativa III. RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ QUESTÃO 20 – Interpretação de texto. A afirmação de que a regra de que não é possível cruzar espécies distintas e criar descendentes estéreis é universal, podendo ser aplicada em todos os casos está em desacordo com o texto. Na linha 02, vê-se que essa regra nem sempre funciona, se dá exemplo com a cruza de tigres e leões, que pode gerar uma fêmea fértil. Está em desacordo com o texto a primeira afirmação. No trecho “Diferiam mais do que, hoje em dia, diferem os esquimós e os etíopes, mas também eram diferenças...” (l. 12-13), pode-se observar que a segunda afirmação está em desacordo com o texto. A terceira afirmação encontra respaldo no texto, especialmente no trecho “Nas cuevas, o pesquisador português encontrou indícios de pintura e ornamentação que antecedem em pelo menos 5 mil anos qualquer sinal da presença do homem moderno na Europa. Longe de soprar um apito final na comunidade científica, achados como o de Zilhão causam uma mixórdia acadêmica” (l. 15-17). O termo “mixórdia” está sendo empregado como mistura confusa de coisas variadas, confusão, portanto reações diferentes. A terceira afirmação está de acordo com o texto. RESPOSTA: B. _______________________________________________________________________ A QUESTÃO 10 É PASSÍVEL DE RECURSO. VER TEXTO NESTES COMENTÁRIOS. Publicado no saite WWW.cpcrs.com.br, no blog professormenegotto.blogspot.com e disponível na Loja Copystar (Xerox do CPC) PROIBIDA A REPRODUÇÃO, MESMO QUE PARCIAL, SEM A ANUÊNCIA DO AUTOR. Direitos autorais reservados a Prof. Menegotto®